Autor : EVALDO DOS SANTOS FELIX

Modalidade : AT 05 - Sistemas de produção agropecuários e agroindustriais no Semiárido

Sala : PO - AT 05     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:INTRODUÇÃO Na região Semiárida brasileira, a palma forrageira é considerada uma importante alternativa para alimentação dos rebanhos em épocas de estiagens prolongadas, pela sua adaptação as condições edafoclimáticas da região e pela grande eficiência no uso da água. Com o surgimento da Cochonilha-do-carmim (Dactylopius opuntiae) que dizimou campos de palma, susceptíveis a esta praga, ocorreu a necessidade de buscar alternativas para amenizar os problemas trazidos pela mesma. Uma das alternativas foi a utilização de variedades resistentes ao inseto-praga, dentre elas, a Orelha de Elefante Africana (Opuntia undulata). Essa variedade apresenta grandes potencialidades para se tornar mais uma alternativa de cultivo. Com isso esse trabalho visa avaliar o comportamento agronômico da palma forrageira, variedade Orelha de Elefante Africana, submetida a diferentes espaçamentos com e sem adubação orgânica utilizando esterco bovino. METODOLOGIA O experimento está sendo conduzido, em regime de sequeiro, na Estação Experimental Ignácio Salcedo, localizado no município de Campina Grande/PB. O delineamento experimental em blocos casualizados, no Fatorial 4 x 2, sendo 4 espaçamentos (E1: 1,5 x 0,5 x 0,5 m, E2: 1,5 x 0,8 x 0,5 m, E3: 1 x 1 m e E4: 1 x 0,8 m) com presença (40 t/ha) e ausência de adubo orgânico (esterco bovino), com 3 repetições. A adubação foi realizada 70 dias após o plantio (DAP). As avaliações foram realizadas aos 90, 120 e 150 DAP, para altura (AP) e largura (LP) de planta, número de cladódios por planta (NCP), comprimento (CC), largura (LC), perímetro (PC), espessura (EC) de cladódio e área de cladódio (AC). A AC foi determinada conforme Silva et al. (2014). Os dados foram submetidos a análise de variância e médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade, utilizando-se o programa estatístico Sisvar (FERREIRA, 2011). RESULTADOS Os maiores valores para LP, até 120 DAP, foram observados nos espaçamentos E3 e E4, diferindo estatisticamente apenas do espaçamento E1. Já aos 150 DAP, apesar de não haver diferença significativa entre os espaçamentos, os maiores valores também foram observados nos tratamentos E3 e E4 com valores de 50.86 e 50.81 cm, respectivamente. Para o NCP os valores máximos estiveram sempre associados ao espaçamento E3, porém, aos 90 e 150 DAP o mesmo não diferiu estatisticamente do E4, já aos 120 DAP diferiu apenas do E2. Para as variáveis LP e NCP os maiores valores foram observados nos tratamentos com as menores densidades de plantas. A utilização do esterco influenciou significativamente a variável AC, com valores de 262,98 e 270,28 cm2, aos 120 e 150 DAP respectivamente, estes resultados refletem um acréscimo na área do cladódio com uso desta prática. CONSIDERAÇÕES FINAIS As menores densidades de plantas proporcionaram maior largura de plantas e número de cladódio por planta. O uso da adubação orgânica proporcionou um aumento na área do cladódio.

Autor : ROBSON ALEXSANDRO DE SOUSA

Modalidade : AT 05 - Sistemas de produção agropecuários e agroindustriais no Semiárido

Sala : PO - AT 05     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:Introdução: A agricultura irrigada é uma atividade importante para o aumento da produtividade das culturas, entretanto, nas regiões onde ocorre escassez de água, lança-se do artifício de uso de águas de má qualidade, ou seja, com alto teor de sais em seu conteúdo para suprir as necessidades hídricas das culturas, podendo resultar em problemas tanto nas plantas como no solo, interferindo na produção agrícola e causando danos ambientais. O uso da matéria orgânica no solo torna-se uma alternativa para se produzir em condições de alta salinidade, entretanto, são escassos os trabalhos com a cultura do sorgo em meio salino mediante a aplicação de esterco bovino. Objetivo: O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos da salinidade da água de irrigação e doses de esterco bovino curtido, sobre o crescimento de plantas de sorgo [Sorghum bicolor (L.) Moench.] cv. BRS Ponta Negra. Metodologia: As plantas foram cultivadas em vasos contendo 23 kg de solo arenoso, em casa de vegetação. Os níveis de salinidade foram 0,2; 2,0; 4,0; e 6,0 dS m-1, sendo que para a sua confecção utilizou-se água de açude, adicionadas com sais de NaCl, CaCl22H2O e MgCl26H2O, na proporção de 7:2:1. As doses de esterco bovino foram 10, 20, 30 e 40 t ha-1. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com quatro repetições, em esquema fatorial 4 x 4. As variáveis analisadas foram altura das plantas e o diâmetro do colmo. Foram realizadas medições de altura da planta, utilizando-se de uma trena, medindo-se da superfície do solo até a inserção da folha mais nova; e, diâmetro do colmo + bainhas com um paquímetro digital Insize, a uma altura de 10 cm a partir da superfície do solo. As medições foram realizadas em intervalos de dez dias após a semeadura. Resultados e Discussão: A altura de plantas, com o incremento da salinidade da água de irrigação, apresentou decréscimo linear de 5,27 (10 t ha-1), 10,6 (20 t ha-1), 7,06 (30 t ha-1) e 18,01 cm (40 t ha-1), por aumento unitário da salinidade da água de irrigação, atingindo os menores valores na CEa = 6,0 dS m-1. Comportamento linear decrescente foi apresentado pelo diâmetro do colmo quando se aumentou os níveis de salinidade da água, reduzindo seus valores em 0,34 (10 t ha-1), 0,51 (20 t ha-1), 0,49 (30 t ha-1) e 0,34 mm (40 t ha-1), por incremento unitário da condutividade elétrica da água, em relação ao menor nível de salinidade aplicado. Considerações finais: A salinidade da água de irrigação afetou negativamente as variáveis analisadas, no entanto, a maior dose de esterco bovino influenciou nos maiores valores tanto da altura como do diâmetro das plantas de sorgo cv BRS Ponta Negra, indicando um possível benefício para o cultivo do sorgo em condições de alta salinidade da água de irrigação.

Autor : ELDER CUNHA DE LIRA

Modalidade : AT 05 - Sistemas de produção agropecuários e agroindustriais no Semiárido

Sala : PO - AT 05     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:INTRODUÇÃO Com as grandes oscilações na disponibilidade de forragens causada pelas épocas de estiagens na região Semiárida, se faz necessário o uso de plantas adaptadas como a palma forrageira, que suporta grandes períodos de escassez de água devido ao seu processo fotossintético eficiente. Neste cenário, a palma forrageira encontra-se como um importante recurso para manutenção da atividade pecuária em época de baixa disponibilidade de forragem. Entretanto, a primeira colheita dessa cultura, geralmente é feita a partir do segundo ano após o plantio, ocorrendo assim à possibilidade do consórcio com outras culturas, visando a maximizar o uso da área, promovendo a biodiversidade, mediante o cultivo simultâneo de duas ou mais espécies, e com isso potencializar a produção de forragem na região. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento de variedades de palma forrageira resistentes a Cochonilha-do-Carmim consorciadas com milho, feijão e sorgo. METODOLOGIA O experimento foi desenvolvido na Estação Experimental Prof. Ignácio Salcedo, localizado no município de Campina Grande/PB. Conduzido em sistema consorciado, utilizando 3 (três) variedades de palma resistentes a Cochonilha-do-carmim, Orelha de elefante mexicana, Baiana e Miúda, com 3 (três) culturas anuais, Milho (Zea mays), Sorgo (Sorghum bicolor) e Feijão (Vigna). O delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados em parcelas subdivididas, com três repetições. As parcelas foram compostas pelas variedades de palma forrageira, e as subparcelas pelas culturas anuais. As avaliações da palma forrageira ocorreram 90 dias após o plantio (DAP). Avaliou-se altura (AP) e largura (LP) de planta, número de cladódios por planta (NCP), comprimento (CC), largura (LC), perímetro (PC), espessura (EC) dos cladódios, área de cladódio (AC) e área fotossintética ativa (AFA). Os dados foram submetidos a análise de variância e médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade, utilizando-se o programa estatístico Sisvar (FERREIRA, 2011). RESULTADOS Dentre as variedades de palma forrageira estudadas em consórcios com as culturas anuais, a Orelha de elefante mexicana se destacou quando comparada com as demais, apresentando valores significativos para AP, LP, AC e AFA. Para a variável NCP, não houve diferença estatisticamente entre Orelha de elefante mexicana e a Miúda, apresentando valores médios de 3,54 e 3,01 cladódios por planta, respectivamente. Em estudo desenvolvido por Pinheiro et al. (2014) verificou-se que a altura e largura da planta, assim como o número de cladódios tiveram alta correlação com o índice de área de cladódio (IAC) dos genótipos Orelha de elefante mexicana e Miúda. A área de cladódio é importante para o crescimento da planta, pois tem correlação com a capacidade fotossintética. De acordo com Ramírez-Tobias et al. (2010) cladódios menores propiciam menor área de absorção de CO2 pela planta. CONSIDERAÇÕES FINAIS A variedade Orelha de elefante mexicana se sobressaiu em relação as demais para todos os parâmetros avaliados.

Autor : PALOMA DOMINGUES

Modalidade : AT 05 - Sistemas de produção agropecuários e agroindustriais no Semiárido

Sala : PO - AT 05     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:A melancia é uma das olerícola que possui grande importância comercial, mas a produção desta é fortemente influencia pelas condições climáticas, em especial, o estresse hídrico. Objetiva-se avaliar o efeito do ácido salicílico e do choque frio aplicado às sementes para a possível tolerância à deficiência hídrica, durante o início do processo de germinação. O experimento será realizado na Universidade Federal de Campina Grande, no Campus de Pombal-PB no Laboratório de Análise de Sementes e Mudas (LABASEM). O experimento será conduzido em delineamento inteiramente casualizado com os tratamentos dispostos em arranjo fatorial 4 x 5 (quatro condições de pré-tratamento das sementes com ácido salicílico e choque frio e cinco níveis do potencial hídrico no substrato de embebição), empregando-se quatro repetições de 50 sementes. As sementes serão divididas em duas porções, sendo parte embebida em água e parte embebida em solução aquosa de ácido salicílico à concentração de 0,025 mM, em papel toalha para germinação. Utilizar-se-á a proporção de 2,5 vezes o peso do substrato seco em água destilada ou solução aquosa de ácido salicílico e as sementes serão mantidas à temperatura constante de 25°C nas primeiras 24 horas. Em seguida, tanto as sementes embebidas em água como as embebidas em ácido salicílico serão transferidas para o choque frio, por 24 horas, à temperatura de 7ºC. A seguir todas as sementes serão transferidas para um substrato simulando diferentes potenciais osmóticos: 0,0; -0,3; -0,6; -0,9; -1,2 MPa induzidos por manitol, sendo considerado potencial zero o substrato umedecido com água destilada. Os potenciais serão obtidos por meio da dissolução do manitol em água destilada (g/L), conforme estabelecido pela equação de Van’t Hoff. Os tratamentos serão avaliados por germinação, classificação de vigor, comprimento de parte aérea e da raiz, massa seca da parte aérea e raiz e relação raiz/parte aérea. Os dados obtidos serão analisados quanto à variância pelo teste F com 5% de significância, a comparação de médias entre as combinações de choque frio e ácido salicílico pelo teste Tukey (P

Autor : WILLYANE FERRERIA NUNES

Modalidade : AT 05 - Sistemas de produção agropecuários e agroindustriais no Semiárido

Sala : PO - AT 05     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:1. Introdução Várias gramíneas têm sido avaliadas, ao longo dos anos, para a formação de pastagens buscando-se, sobretudo, elevada produtividade e persistência. Dentre estas se destaca principalmente o capim-buffel (Cenchrusciliaris L.) que pertence à família Poaceae, para regiões áridas e semiáridas (Moreira et al., 2007). Segundo Oliveira (2005), a cultivar que vem se destacando, desde o início da década de 90, é o Áridus demonstrando boa adaptabilidade às condições edafoclimáticas da região semiárida. 2. Objetivo O objetivo desse trabalho é avaliar os componentes produtivos, estruturais e morfogênicos do capim buffel irrigado e submetido à adubação orgânica com níveis de esterco de bovino e ovino. 3. Metodologia O experimento foi conduzido no Instituto Federal de Alagoas, Campus Piranhas. O delineamento experimental foi de blocos casualizados (DBC), em esquema fatorial 2x5, sendo duas fontes de esterco, (bovino e ovino) e cinco doses - 0, 2,5, 5, 7,5 e 10 (t/ha), com três repetições, totalizando 30 unidades experimentais. A gramínea forrageira utilizada foi Cenchrusciliaris Áridus. As variáveis estruturais estimadas foram: comprimento final da lâmina foliar (CFF, mm); número de folhas vivas por perfilho (NFV, folhas perfilho-1); número de perfilhos (NP). As variáveis morfogênicas estimadas foram: taxa de aparecimento foliar (TApF), filocrono (dias folha-1); taxa de alongamento foliar (TAlF, mm dia-1); taxa de alongamento de colmo (TAlC, mm dia-1); taxa de senescência foliar (TSF, mm dia-1); altura do colmo (ALT, cm); relação da massa de lâmina foliar pela massa de colmo (L/C). Os dados do ensaio serão submetidos à análise de variância e regressão, empregando-se o Sisvar. 4. Resultados De acordo com a análise de variância pelo teste F, não foram constatados diferença estatística para as variáveis produtivas, estruturais e morfogênicas avaliadas, não havendo influência da fonte de adubo, das doses e da interação entre fonte e doses aplicada para as essas características. 5. Considerações Finais Considerando as características físico-químicas do solo, a aplicação de doses crescentes das duas fontes de esterco não proporcionou um desempenho significativo para as características avaliadas, sendo, portanto, a adubação de fonte animal desnecessária para as condições de fertilidade do solo estudado, pois o capim buffel apresenta desempenho igual quando comparado ao solo que não foi realizado a adubação.

Autor : DANIEL DE PAULA DINIZ

Modalidade : AT 05 - Sistemas de produção agropecuários e agroindustriais no Semiárido

Sala : PO - AT 05     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:Incontestavelmente é necessária a disseminação do desenvolvimento sustentável para efetivação do desenvolvimento regional, em particular, no semiárido nordestino. Melhoria em eficiência energética é uma base importante para resolver tanto a segurança energética quanto as preocupações ambientais. A utilização de energia solar térmica nos processos industriais vem com esse propósito. Dentro dos principais ramos da indústria que exigem calor de processo se destaca a indústria alimentícia, se sobressaindo as indústrias de laticínios. A cadeia produtiva do leite apresenta grande relevância socioeconômica para a Região Nordeste, sendo uma das atividades mais presentes no semiárido. O objetivo desse trabalho é demonstrar a viabilidade ambiental da inserção da energia solar térmica em processos industriais no semiárido nordestino, utilizando conceitos de desenvolvimento sustentável em um estudo de caso referente a uma fábrica de laticínios instalada na região. Dados obtidos do diagnóstico energético de uma fábrica de laticínios foram usados para realizar análises ambientais, verificando o potencial de mitigação de mudanças climáticas associado a diferentes recursos energéticos. A hipótese é de que a substituição, mesmo que parcial, da fonte de energia térmica tradicional, que é óleo diesel ou eletricidade, por uma fonte renovável, traz consigo inúmeras vantagens ambientais. Considerando a demanda energética para processos térmicos e a alta irradiação solar incidente no semiárido nordestino, sugere-se a instalação de coletores solares para produção de calor de processo. A metodologia da Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) foi aplicada para quantificar as emissões de gases de efeito estufa associadas ao consumo de eletricidade e óleo diesel, formas de energia comumente utilizadas pelas indústrias no semiárido, comparando com energia solar térmica. A orientação em relação a dimensão de desenvolvimento sustentável ainda está numa fase inicial, e a incorporação do conceito de sustentabilidade exige mudanças na atual gestão das empresas. Essa mudança se dará basicamente por meio da inovação nos processos produtivos. Os resultados obtidos a partir desse estudo de caso poderão ser expandidos para outras áreas do setor industrial que também utilizam calor de processo. As empresas do setor de alimentos do semiárido brasileiro podem explorar várias estratégias para agregar valor sustentável aos negócios. A utilização de conceitos de ACV pode informar o benefício ambiental associado à substituição da fonte energética, demonstrando que a introdução de energia solar térmica é uma alternativa viável ambientalmente. Os resultados obtidos neste trabalho, somados a futuras pesquisas em outros setores, poderão diminuir os efeitos negativos das atividades industriais. A aplicação de pesquisas semelhantes em instituições diversas poderá mitigar a intensificação do efeito estufa uma vez que o somatório das emissões evitadas poderá ser elevado. Por meio destas mudanças em diferentes setores, será possível, em um futuro próximo, estabelecer uma economia de baixo carbono.

I CONGRESSO NACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO

Semiárido brasileiro: diversidade, tendências, tensões e perspectivas