Autor : CLAUDIO BERNARDO DA SILVA

Modalidade : AT 06 - Gestão das águas do Semiárido

Sala : PO - AT 06     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:A utilização da água salina para a irrigação da cultura do sorgo tem-se mostrado como uma boa alternativa para os produtores das regiões do semiárido nordestino. Nesta região a pluviosidade média anual é inferior a 800 mm e com elevada evapotranspiração, em torno de 2000 mm ano-1. O conteúdo de sais nas águas é aumentado durante o período sem chuvas (CAVALCANTE et al., 2008), com o longo período de estiagem os solos tendem a apresentar alta concentração de bases trocáveis decorrente do início do processo de lixiviação, inicialmente sem prejuízos para as culturas. A condutividade elétrica do solo é um importante indicador de qualidade do solo. Junto com a condutividade elétrica, outro indicador de qualidade do solo é o potencial hidrogeniônico (pH) que de acordo com Fageria (2000) é um importante indicador das condições químicas do solo, por possuir capacidade de interferir na disposição de vários elementos químicos essenciais ao desenvolvimento vegetal. O biofertilizante vem sendo utilizado em testes como alternativa para minimizar os efeitos negativos do acúmulo de sais nos solos (VAN HORN et al., 2014). O trabalho teve como objetivo avaliar o potencial hidrogeniônico do solo e a condutividade elétrica, após serem submetidos a diferentes doses de biofertilizante líquido, num solo cultivado com sorgo cv BRS Ponta Negra e irrigado com águas de salinidade crescente. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, localizada na Escola Agrícola de Jundiaí – EAJ, no município de Macaíba – RN. Foram avaliadas quatro doses de biofertilizantes, 75, 150, 225 e 300L ha-1, e as plantas foram irrigadas com quatro níveis de salinidade diferentes da água (0,2; 2,5; 4,5 e 6,5 dS m-1). O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado com quatro repetições no esquema fatorial 4 x 4, totalizando 16 tratamentos. A condutividade elétrica (CE 1:2,5) foi determinada no sobrenadante a partir da mistura, base peso, de uma parte de solo para duas e meia de água destilada, conforme metodologia proposta pela EMBRAPA (2009). Os resultados das variáveis foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey com p

Autor : KENIA KAROLINE SOUSA DA CRUZ

Modalidade : AT 06 - Gestão das águas do Semiárido

Sala : PO - AT 06     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:A bacia hidrográfica poder ser compreendida como um sistema físico complexo e aberto, pois, está em constante troca de energia e matéria com o ambiente. Devido a esta intensa dinâmica, e ressaltando a importância socioeconômica e ambiental que as bacias hidrográficas possuem para gestão dos recursos hídricos, é fundamental o discernimento quanto aos fatores que propiciam o desenvolvimento do entorno onde elas estão inseridas. A região semiárida estende-se por 1,03 milhões de km² e, atualmente, agrupa 1.262 municípios da Região Nordeste, sendo caracterizada pelo clima seco e com baixos índices de precipitação (IBGE, 2017). No intuito de mitigar os efeitos das estiagens prologadas e viabilizar a produção econômica nos espaços rurais de alguns municípios foram executados planos, programas e ações governamentais, sendo esse o contexto em que Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF) está inserido, e tendo como principal propósito a agregação com bacias hidrográficas no Nordeste. Esse projeto integra um sistema de açudes dos rios intermitentes por ele beneficiados, iniciando-se ao Norte do Rio São Francisco e abrangendo parte dos Estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte, que possui como finalidade reabastecer açudes que estariam entrando em colapso por estarem abaixo do nível para abastecimento público. Utilizando uma abordagem dialética, o artigo tem por objetivo refletir sobre a especulação imobiliária instalada a partir da transposição do Rio São Francisco, utilizando como recorte principal a várzea da Bacia do Alto Curso do Rio Paraíba, descrita no PISF como sendo uma Área Diretamente Afetada (ADA), sendo esta o Trecho V – Reservatório de Itaparica em Monteiro (PB), correspondendo ao eixo Leste do Projeto, que possui uma área antropizada de 37,7%, e predominância da atividade Agropecuária associada a uma vegetação de cantiga aberta, com uma percentagem de 22,3, localizada na microrregião do Cariri Paraibano. Considerado como o principal rio da região, o Rio Paraíba nasce no município de Monteiro, na divisa com o município de Sertânia (PE), e, no seu Alto Curso, compreende os municípios de Camalaú, Congo, Barra de São Miguel, São Domingos do Cariri e Cabaceiras. Resultados preliminares da pesquisa expressam que a oferta de água e a prática da irrigação de áreas para produção agrícola local podem ser considerados de efeito positivo. Entretanto, também constatamos que “a chegada das águas” fez com que as propriedades rurais localizadas nas várzeas das Bacias receptoras tivessem uma elevação do valor de venda dos imóveis, devido ao potencial produtivo que passaram a ter, ou estão se constituindo em espaços de reserva para o capital, o que caracterizaria práticas de especulação imobiliária. Além disso, e considerando o caráter de um sistema fluvial intermitente presente nessa região, essa alteração abrupta não apenas ocasionará mudanças na dinâmica do Rio e seus afluentes, como também afetarão de forma direta as comunidades circunvizinhas localizada, sendo esta dinâmica social adaptada as especificidades efêmeras do Rio. Pesquisa em andamento.

Autor : PRISCILLA PIMENTEL DIOGENES GOIS DE ARAUJO

Modalidade : AT 06 - Gestão das águas do Semiárido

Sala : PO - AT 06     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:A Câmara do Comercio Mundial (CCI) estabeleceu o Business Charter For Sustainable Development, que contempla 16 princípios da Gestão Ambiental, os quais foram atualizados e ampliados em 2015 pela Carta Empresarial da CCI para o Desenvolvimento Sustentável, atendendo a nova realidade global através de uma abordagem holística. A prefeitura municipal de São José do Seridó/RN, através da secretária de planejamento desenvolve ações que garantem a sustentabilidade ao meio ambiente e a adoção desses princípios, sendo uma delas o reuso de água residuária. Portanto, a pesquisa justifica-se por demonstrar a gestão e ética ambiental com o projeto de reutilização de água. Tendo como objetivo correlacionar os princípios estabelecidos pela CCI com o reuso de águas residuárias, desenvolvido pela secretaria de planejamento do município mencionado, que além dessa ação apresenta outros diversos projetos, tais como: a preservação do bioma caatinga e recuperação de áreas degradáveis, reflorestamento de áreas de desertificação, museu de plantas nativas, trilha ecológica, mitigação dos impactos ambientais causados por resíduos sólidos, recuperação da mata ciliar, geração de energia solar e plantio de cordeiro em meio a caatinga para alimentação do gado. Porém a presente pesquisa terá enfoque no projeto de reuso de águas residuárias. O estudo foi desenvolvido com base no método dedutivo. No que diz respeito a sua natureza foi básica e descritiva, já que a mesma se edificou em apresentar e demostrar a correlação dos princípios adotados pela CCI e o projeto de reuso de água. Inicialmente foi realizada uma observação in loco da área onde ocorre o aproveitamento da água residuária na plantação de capim elefante, capim roxo e branco, capim cearense e caná da índia. Foram feitos também registros fotográficos do local e das plantações e entrevistas não estruturadas para coleta de dados sobre o funcionamento do processo com o criador e um dos beneficiários do projeto. No que se refere aos meios e procedimentos técnicos, realizaram-se pesquisas bibliográficas com base em livros, artigos, teses e anais de congressos que fundamentaram a investigação. O conjunto das informações obtidas foi analisado, interpretado e sistematizado na perspectiva de se atingir os objetivos. O projeto de reuso de água da cidade ora estudada, teve início no ano de 2009 e consiste na captação de água de 40 residências, a qual é captada e armazenada em um fossão. Cerca de 50 mil litros de água são retirados desse fossão a cada 8 dias. O aproveitamento de água residuária permite aos moradores no município uma fonte de água e nutrientes disponíveis para o uso em irrigação. Estima-se uma economia de consumo de água potável em torno de 50 mil litros semanais, trata-se, portanto, de um projeto eficaz e efetivo, que apresenta os seguintes princípios de gestão ambiental: desenvolvimento sustentável como prioridade de negócios; responsabilidade e gestão ambiental; crescimento econômico inclusivo e desenvolvimento; responsabilidade para com pessoas e sociedade; colaboração e parceria para melhoria contínua; produtos e serviços; abordagem de cadeia de valor e transparência, comunicações e relatórios. Assim sendo, observa-se que o programa de reuso de águas residuárias utilizado pela prefeitura de São José do Seridó /RN corrobora com os princípios representados na Carta Empresarial da CCI para o Desenvolvimento Sustentável, ratificando a preocupação da gerência deste município com a ética e gestão ambiental, uma vez que não só o projeto de reuso, mas as demais ações desenvolvidas pela secretaria de planejamento são voltadas para a sustentabilidade do meio ambiente.

Autor : HENRIQUE CLEMENTINO DE SOUZA

Modalidade : AT 06 - Gestão das águas do Semiárido

Sala : PO - AT 06     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:As problemáticas decorrentes da incipiente quantidade e, por vezes baixa qualidade dos recursos hídricos geram em grande parte impactos negativos cada vez maiores para o equilíbrio ambiental e a sociedade. Neste cenário, o gerenciamento dos conflitos de interesses resultantes dos usos desiguais das águas deve ser realizado no contexto da bacia hidrográfica, visto que esta é a unidade territorial que compreende um sistema onde as atividades antropogênicas se estabelecem e interagem. Para promover a gestão integrada das águas no contexto de uma visão sistêmica da sustentabilidade são necessárias ferramentas apropriadas que apoiem o processo de tomada de decisão de modo a projetar ações e melhorias quanto ao uso e conservação desse recurso. Esta pesquisa objetiva propor uma metodologia para a identificação e análise ambiental a partir de ferramentas utilizadas no planejamento e gestão dos recursos hídricos em bacias hidrográficas. A metodologia para a identificação e análise das ferramentas de planejamento e gestão dos recursos hídricos foi baseada na Caixa de Ferramentas da Parceria Mundial pela Água (GWP) para a Gestão Integrada de Recursos Hídricos (GIRH), por meio da qual conseguiu-se estabelecer categorias de busca das ferramentas existentes que subsidiam a GIRH. Esta investigação foi desenvolvida mediante uma busca sistemática caracterizando-se como de caráter exploratório, permitindo a descoberta de intuições e pensamentos que enriquecem e sustentam as novas teorias. Baseada na Caixa de Ferramentas da Parceria Mundial pela Água, a metodologia proposta apresenta categorias e palavras-chaves para a identificação, e análise das ferramentas, considerando o foco e contexto adequados para sua aplicação e buscando abranger de forma integrada todos os aspectos relacionados à água. A identificação das ferramentas foi realizada a partir da identificação das ferramentas desenvolvidas por agências, institutos de pesquisa, universidades, Organizações Não Governamentais (ONGs), empresas, entre outros gerando-se um banco de palavras-chave criadas especificamente para cada categoria de aplicação das ferramentas. Essas categorias foram estabelecidas com base no Item C da Caixa de Ferramentas. Todas as 30 ocorrências encontradas a partir do Filtro 1 foram classificadas em categorias. O Filtro 2 classificou as ocorrências quanto ao Tipo de Documento, Tipo de Conteúdo e o Tema da Ocorrência. As ferramentas identificadas a partir do Filtro 2 foram analisadas a partir de categorias para caracterização. Esse Filtro 3 foi utilizado para caracterizar as ferramentas quanto ao Tipo de Ferramenta, Foco de Aplicação e Contexto de Aplicação. A presente pesquisa visa auxiliar na identificação das ferramentas que estão sendo aplicadas em diferentes contextos, com o intuito de apoiar o planejamento e gestão dos recursos hídricos no Brasil. A referida pesquisa permitiu a elaboração de uma metodologia para identificação e análise de ferramentas que subsidiem o planejamento e a gestão dos recursos hídricos em bacias hidrográficas, fornecendo aos gestores a possibilidade de encontrar de forma prática e simples novas ferramentas que facilitem o processo de tomada de decisões.

Autor : JULIANA MARIA SOARES GONDIM

Modalidade : AT 06 - Gestão das águas do Semiárido

Sala : PO - AT 06     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:A situação hídrica do Brasil continua sendo uma questão crítica. Durante o período de 2014 a 2016, o país enfrentou uma das maiores crises hídricas da sua história, afetando principalmente a região Nordeste. Isso se deve principalmente à irregularidade e à carência de chuvas, ao crescimento da demanda e à falta de planejamento. No Nordeste, a condição hídrica é considerada desfavorável, visto que é uma região de clima semiárido caracterizado por uma diferença significativa entre o período chuvoso e seco, com variações de precipitações anuais, onde algumas áreas atingem 800 mm e outras não passam de 200 mm. É constituída por nove estados (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe) e 1.794 municípios, em uma área de 1.553.917 Km², com aproximadamente 28% da população brasileira e 3,3% dos recursos hídricos (IBGE, 2010). Por essa razão, são necessárias medidas que visam combater os processos que intensificam a escassez hídrica, bem como aumentem a oferta hídrica nessa região. Assim, esse trabalho teve como objetivo identificar as possíveis maneiras de reaproveitar a água da chuva nessa região a fim de minimizar os impactos negativos da crise hídrica, mostrando algumas alternativas de práticas de uso sustentável da água. O desenvolvimento do estudo foi realizado a partir de uma revisão de literatura, o qual contemplou a pesquisa bibliográfica acerca da temática proposta, envolvendo o levantamento e a análise do que já se produziu sobre o assunto. A partir de então, foi feito um levantamento para enumerar quais técnicas de uso sustentável da água da chuva seriam vantajosas adotar na região Nordeste. Observou-se que o cenário hídrico nessa região é preocupante, podendo piorar e trazer graves consequências aos que nele vivem, visto que a cada ano, a necessidade hídrica aumenta para suprir as demandas da agricultura, da população e das indústrias, o que pode acarretar em um futuro próximo, um colapso hídrico. Fortalecendo a necessidade de ações voltadas à minimizar os impactos desse problema.Como resultado desse estudo, as práticas de uso sustentável da chuva a ser utilizadas de maneira eficaz no Nordeste, seriam as para uso pessoal, captadas diretamente da chuva por baldes. Por não ser prejudicial às plantas, a água da chuva pode ser usada para a irrigação de jardins e hortas. Além disso, tal prática deve ser feita preferencialmente à noite ou pela manhã, assim, evitando a evaporação e o pouco aproveitamento de água pela planta. Além disso, a água da chuva também pode ser utilizada para a lavagem da casa em geral, de calçadas e de carros. Com isso, economiza-se bastante a água potável, pois estima-se que, ao lavar uma calçada com mangueira por 15 minutos, por exemplo, uma pessoa gasta em média 279 litros de água. Já utilizando um balde de água de chuva, se aproveita de um recurso que iria se perder e ainda economiza-se água tratada. Para um uso da água mais permanente, é necessária captá-la e armazená-la de forma correta, construindo-se cisternas e passando por simples tratamento, como filtração e cloração, ela pode ser utilizada para fins potáveis. Com isso, irá ter um aproveitamento maior desse recurso, além de ser economicamente viável. Concluiu-se que aproveitar a água das chuvas é um procedimento simples e economiza uma grande quantidade de água tratada, além de ajudar o planeta, preservar um dos recursos mais importantes para a sociedade e diminuir os impactos da crise hídrica que ainda afeta o Nordeste. Ademais, a utilização dessa água auxilia na diminuição de enchentes nas cidades, uma vez que é captada e não fica acumulada sobre o solo impermeável dos grandes centros urbanos.

Autor : GLEYDSON DANTAS JALES

Modalidade : AT 06 - Gestão das águas do Semiárido

Sala : PO - AT 06     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:A quantidade e qualidade da água em regiões semiáridas, associada aos impedimentos físico e químicos dos solos, são fatorem limitantes a produção agrícola nessa região. Com isso, é constante a busca por estratégias de convívio com o semiárido, dentre elas o reuso de água. As águas residuárias além de aumentar a disponibilidade hídrica da região, possui concentrações consideráveis de nutrientes e matéria orgânica, a exemplo dos efluentes da carcinicultura e piscicultura. No entanto para sua utilização faz-se necessário à adoção de parâmetros bem definidos com relação à aplicação do volume de efluente em função da espécie vegetal cultivada, evitando impactos ambientais negativos. Com isso, uma pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de avaliar estratégias de manejo no uso do efluente da piscicultura em diferentes estádios fenológicos sobre a produção e qualidade dos frutos de tomate cereja cv. Samambaia. A pesquisa foi realizada em casa de vegetação na área Experimental do Centro de Ciências Agrárias da UFERSA (5°12'02.4"S e 37°19'37.3"O), no município de Mossoró/RN. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos aleatorizados, com dez tratamentos, quatro repetições e três plantas por repetição. Os tratamentos foram formados pela exposição das plantas ao rejeito da piscicultura (R, 4,54 dS m-1), alternados ou não com água de abastecimento (A, 0,52 dS m-1) em quatro fases fenológicas, sendo: crescimento (1), florescimento (2), enchimento do fruto (3) e amadurecimento (4). Assim, os tratamentos foram: T1 = A1/A2/A3/A4 (testemunha); T2 = A1/R2/R3/R4; T3 = A1/A2/R3/R4; T4 = A1/A2/A3/R4; T5 = R1/A2/R3/R4; T6 = R1/A2/A3/R4; T7 = R1/R2/A3/R4; T8 = R1/R2/R3/R4; T9 = R em uma irrigação e posteriormente duas irrigações com A sequencialmente durante todo ciclo; T10 = R em duas irrigações e posteriormente uma irrigação com A sequencialmente durante todo ciclo. As plantas foram conduzidas em sacos plásticos com capacidade para 5 dm3, que foi preenchido com substrato a base de fibra de coco e composto orgânico na proporção 2:1. As plantas foram conduzidas até a fase de produção, onde foi mensurado o número de cachos por plantas e o número de frutos por cacho. Após a colheita dos frutos, os mesmos foram levados para o laboratório e caracterizados quanto ao peso e ao teor de sólidos solúveis. Não houve diferença para o número de cachos por plantas, entretanto ouve efeito para o número de frutos por cacho e o peso médio de frutos. Os tratamentos T2, T4, T7, T8 e T9, apresentaram maior número de frutos por cacho em relação ao tratamento controle (T1), e os demais apresentam média semelhante ao controle. Apenas o tratamento T4 apresentou peso médio de frutos semelhante ao controle, os demais tratamentos foram inferiores. O teor de sólidos solúveis foi maior nas plantas cultivadas com efluente da piscicultura que no tratamento controle. Com aplicação do efluente da piscicultura houve aumento no número de frutos para compensar a redução do peso médio dos frutos, e concentra o teor de sólidos solúveis no fruto.

Autor : RADIMAK FREIRE BEZERRA DE CASTRO

Modalidade : AT 06 - Gestão das águas do Semiárido

Sala : PO - AT 06     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:Resumo: Diante dos longos e frequentes períodos de seca a que o Nordeste brasileiro está submetido, alternativas para redução do consumo hídrico e uso eficiente d’água são primordiais para o desenvolvimento da região. Nas atividades agrícolas, onde a escassez hídrica e o elevado custo de irrigação oneram o processo produtivo, essas alternativas são cada vez mais relevantes para o sucesso dos empreendimentos. Para satisfazer essas condições, vem se multiplicando trabalhos sobre o uso de hidrogel na agricultura, aplicado a diversas áreas de produção agrícola, sendo necessários estudos que apontem a sua viabilidade técnica e econômica nas mais diversas aplicações e em diferentes regiões. Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo, avaliar a aplicação do hidrogel como alternativa de economia de uso da água na cultura do coentro, na região do semiárido do Nordeste brasileiro. O estudo foi desenvolvido em dois ambientes, no laboratório de química da universidade federal rural do semi-árido, campus Angicos e na cidade de Assú/RN. No laboratório foram avaliados a capacidade de retenção de água pelo hidrogel dentro do solo e fora do solo. Para tanto, foram selecionados dois tipos de solo composto de textura arenosa e de textura média. O solo argiloso não foi utilizado devido a estudos informarem que o hidrogel não apresenta comportamento favorável em solos argilosos. Também verificamos a veracidade das informações de retenção de água informado pelo fabricante. Diante dessas informações e comprovação dos dados foi iniciado o experimento de campo, adotando uma cultura de ciclo rápido. Desta forma foi selecionada a cultura do coentro, variedade Verdão SF 177, que de acordo com os autores, apresentou os melhores resultados relativos a produtividade na região. Em todo o experimento foi utilizado o delineamento de blocos inteiramente casualizados com 5 repetições. Com as experiências em laboratório observou-se que os resultados obtidos estão de acordo com a indicação do fabricante. No tocante a absorção de água pelo hidrogel. Dentre os solos analisados, o solo arenoso apresentou maior absorção de água, proporcionando melhores condições ao uso do hidrogel do que o de textura média, resultados semelhantes ao encontrado na literatura. Houve aumento da retenção de água no solo submetido ao uso do hidrogel, independente do solo analisado, o que pode reduzir as perdas por percolação assim como promover a redução nos turnos de rega do coentro. Observou-se também aumento no poder de germinação e incremento na produção no que se refere a matéria seca. Desta forma, o hidrogel apresenta-se como fonte viável para redução do consumo hídrico e aumento da produtividade no cultivo do coentro.

I CONGRESSO NACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO

Semiárido brasileiro: diversidade, tendências, tensões e perspectivas