Autor : CATARINA PEREIRA RIBEIRO

Modalidade : AT 12 - Saúde: ciência e saberes no semiárido

Sala : PO - AT 12     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:A relação entre seres humanos e plantas foi adquirida desde as formações dos primeiros grupos humanos em uma diversidade de categorias de uso, especialmente como alimentícias, medicinais e religiosas, estudos que são abordados e entre outras ciências pela etnobotânica. Entende-se por etnobotânica o estudo da inter-relação direta entre os seres humanos de culturas viventes e as plantas do seu meio, a este fator aliam-se: fatores culturais e ambientais, bem como as concepções desenvolvidas por essas culturas (plantas) e o aproveitamento que se faz delas (ALBUQUERQUE, 1997). O presente trabalho tem por objetivo avaliar costumes e práticas culturais associadas aos quintais medicinais, destacando o significado do uso de plantas utilizadas para fins terapêuticos e o legado dessa tradição em comunidades rurais do município de Queimadas e Montadas- PB. As coletas dos dados são por meio da utilização de instrumentos múltiplos, os quais incluem: aplicação de questionários, formulários de entrevista semi-estruturada, círculos de cultura e os cadernos dos registros de campo. A análise dos dados parte das reflexões realizadas com dez famílias sobre a importância dos saberes da tradição no cultivo de plantas medicinais em seus quintais, priorizando-se a perspectiva de preservação dos costumes e práticas culturais. Ambas as áreas de estudo tem usado plantas medicinais como uma importante atividade terapêutica, a qual permite a autossuficiência da população rural em relação aos cuidados com a saúde. Estando o estudo em execução na primeira etapa da coleta de dados, foi feito o mapeamento demográfico e seguiu com a discussão em torno do conhecimento e práticas adotadas pelas famílias neste espaço denominado de “quintal”, duas famílias foram entrevistada a partir de questionários semi-estruturados, esses entrevistados compartilha a opinião de que as plantas medicinais não fazem mal. A orientação sobre a forma de utilização das plantas ocorre, principalmente, pela informação de familiares ou amigos, e os profissionais da saúde muitas vezes são ignorados neste processo. Constatou-se que as plantas medicinais são utilizadas para o tratamento de enfermidades de baixa a alta gravidade e são encontradas nos seus próprios quintais, acreditam que diminuem os sintomas quando são preparados na medida certa. Observou-se ainda que esses conhecimentos populares são transferidos de geração em geração dentre uma família, ou seja de pais para filhos. As práticas relacionadas ao uso popular de plantas medicinais são o que muitas comunidades têm como alternativa viável para o tratamento de doenças ou manutenção da saúde. Os resultados obtidos no momento são resultados parciais, que serão complementados pelas informações que ainda serão coletadas e analisadas. Portanto a comunidade em estudo faz o uso de plantas medicinais no tratamento de suas doenças pelos fitoterápicos cultivados em seus quintais, ou seja, chamados de “farmácia viva”. Nas últimas décadas se observa, de acordo com Simões; Lino (2002), uma acentuada revalorização mundial do uso de plantas medicinais, fenômeno que pode ser explicado pela crescente aceitação do consumidor por medicamentos produzidos a partir de plantas e pelo renovado interesse da indústria farmacêutica na busca de compostos naturais que possuem atividade farmacológica. Na perspectiva de conhecer práticas de cultivo tradicionais de plantas para fins terapêuticos em comunidades de sitiantes locais, bem como compreender aspectos culturais e formas de manipulação de vegetais, com o objetivo de curar os males de pessoas localizadas nestas áreas rurais do município. Este estudo proporcionará a valorização, o resgate e a preservação desse conhecimento sobre as formas de uso e manejo das plantas medicinais que foram ao longo do tempo acumulados pelas gerações.

Autor : DAJANA GABRIELLA NÓBREGA SANTOS DA SILVA

Modalidade : AT 12 - Saúde: ciência e saberes no semiárido

Sala : PO - AT 12     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:O objetivo deste estudo foi analisar a realidade das ações nas empresas de pequeno porte, no contexto da Gestão da Segurança e Saúde dos Trabalhadores no município de Paulo Afonso na Bahia. Para um maior embasamento foi realizada uma revisão bibliográfica, utilizando livros, monografias, artigos e internet. Com o intuito de fazer uma chamada para a relevância do assunto em estudo, foi dado um realce à importância da adoção de estratégias voltadas para as Normas Regulamentadoras, assim como os riscos associados ao meio de trabalho. Foi possível concluir que as normas regulamentadoras são eixos condutores que buscam evitar acidentes de trabalho e problemas de saúde nos trabalhadores.

Autor : MIKAELLE KALINE BEZERRA DA COSTA

Modalidade : AT 12 - Saúde: ciência e saberes no semiárido

Sala : PO - AT 12     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:O Brasil abriga grande riqueza de espécies de serpentes, 3.700 descritas, cerca de 17% destas consideradas peçonhentas. Proporção considerável dos acidentes ofídicos reportados no País tem ocorrido no Nordeste brasileiro, região que contempla a maior extensão do semiárido brasileiro, com características ambientais propícias à ocorrência de serpentes, dentre elas as de importância médica. O envenenamento decorrente dos acidentes ofídicos pode afetar diretamente a vida social e econômica de uma população, e a realização de pesquisas que abordem este problema de saúde pública é essencial para assegurar melhorias, em especial no Sistema de Saúde. Nessa perspectiva, este estudo teve como objetivos, analisar a epidemiologia dos acidentes ofídicos ocorridos no Estado do Rio Grande do Norte; avaliar a influência de variáveis ambientais sobre a ocorrência dos acidentes ofídicos; delimitar as áreas de risco a incidência ofídica no estado. Para tanto, realizou-se análise retrospectiva dos acidentes ofídicos notificados no Sistema de informação de agravos de notificação no período 2007-2016. Foram consideradas variáveis sócio demográficas, faixa etária, gênero, ocupação, identificação da serpente, tipo de acidente, local de ocorrência, região do corpo lesionada e as manifestações clínicas das vítimas. Para a construção dos mapas de identificação das áreas de risco a acidentes ofídicos foram utilizadas, além das caraterísticas climáticas, tais como, precipitação pluviométrica e temperatura do cenário ambiental no período estudado, a incidência de acidentes com serpentes de importância médica (Bothrops - jararaca; Crotalus - cascavel; Lachesis – surucucu; Micrurus - coral verdadeira). Um total de 3.909 acidentes ofídicos foram reportados nesse período, dos quais 58% envolveram espécies peçonhentas, dentre as quais as do gênero Bothrops foi preponderante com mais de 80% dos casos registrados. As espécies de Bothrops habitam áreas naturais florestadas ou não, normalmente frequentes em áreas abertas e de cultivo, o que justifica serem responsáveis pela maioria dos acidentes ofídicos ocorridos especialmente em zonas rurais. Foram definidas as regiões vulneráveis, considerando os riscos aos acidentes ofídicos, sendo a região da Borborema potiguar a mais afetada. Considerando as condições climáticas da área estudada, constatou-se associação entre caraterísticas ambientais e incidência de casos reportados. Alterações climáticas, como o aumento na temperatura, podem gerar perturbações na fisiologia e ecologia das serpentes, interferindo na abundância e distribuição desses animais, e barreiras antropogênicas podem comprometer o deslocamento adaptativo das serpentes, aumentando o risco de acidentes ofídicos. Este estudo, portanto, possibilitou identificar o cenário dos acidentes ofídicos no estado do Rio Grande do Norte, destacando o Ofidismo como um problema de Saúde Pública emergente no Nordeste brasileiro, em especial em região semiárida. Possibilitou ainda, constatar que mudanças nas características climáticas aliadas às atividades antrópicas, influenciam no aumento da incidência de acidentes ofídicos, e que deficiências no Sistema de Saúde responsável pelo atendimento devem ser consideradas. Os resultados deste estudo, entretanto, disponibilizam subsídios que podem promover a melhoria do gerenciamento sanitário dos acidentes ofídicos no Estado do Rio Grande do Norte.

Autor : JOSEANE SCHMIDT DOS SANTOS

Modalidade : AT 12 - Saúde: ciência e saberes no semiárido

Sala : PO - AT 12     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:O gerenciamento correto dos resíduos de serviços de saúde significa controlar e diminuir os riscos provenientes do descarte inadequado e reduzir a quantidade de resíduos desde o ponto de origem, gerando um aumento na qualidade e eficiência dos serviços que estes estabelecimentos proporcionam (Schneider et al, 2004). Diante das diversas dimensões da questão ambiental dentro dos hospitais encontra-se a inegável deficiência na gestão dos resíduos produzidos por estes, fator justificativo à necessidade de implantações de um plano de gerenciamento de resíduos sólidos mais eficiente com o intuito de minimizar os impactos temerários a saúde ambiental e humana. Portanto, este trabalho tem a finalidade de analisar como é feita essa gestão em dois hospitais de Natal RN. Dentre os principais objetivos do presente estudo destacaram-se a classificação dos tipos de resíduos hospitalares, expondo as leis referentes a esta problemática, além da aplicação de questionários acerca dos métodos de disposição de resíduos de um hospital de gerenciamento público e um privado para averiguar seus procedimentos de disposição dos Resíduos Sólidos de Saúde (RSS), propondo ações na gestão dos seus resíduos, a fim de aprimorá-la. Aplicou-se um questionário objetivo de 10 perguntas aos responsáveis pelo gerenciamento dos RSS dos hospitais sobre o processo e logística dessa atividade no estabelecimento. Para identificar quais as práticas de gerenciamento de resíduos sólidos, foi utilizado outro questionário objetivo e subjetivo com 26 perguntas a respeito de como o hospital gerencia seus resíduos e as deficiências desta gerência, dos treinamentos oferecidos aos funcionários a respeito da problemática do resíduo hospitalar no local, da participação e comprometimento da alta gerência, da existência de programas de redução de resíduos e de segregação dos mesmos, identificando benefícios advindos destes. Os dados recolhidos com os questionários e as anotações, seguiram as normas e diretrizes da Resolução CNS n.466/12 para assegurar o anonimato, a dignidade, liberdade, segurança e bem-estar dos participantes (Brasil, 2012). Os resultados obtidos indicam divergências significativas no gerenciamento dos resíduos dos hospitais em questão, principalmente no que diz respeito ao controle da produção e destino desses resíduos. Foram encontradas diversas deficiências no hospital público em relação ao planejamento, documentação e estatísticas básicas para tomada de decisão no gerenciamento dos resíduos produzidos, enfatizando a necessidade de maior mobilização por parte dos hospitais a fim de encontrar soluções para esse problema, além de maior conhecimento a respeito do tema e conscientização de todos os profissionais presentes nos hospitais. Além disso, foram constatadas e descritas algumas práticas de gerenciamento de RSS, algumas mais completas e eficientes, como os treinamentos para a segregação correta dos resíduos e as políticas institucionais ambientais. Essas, mostram a preocupação do estabelecimento em na busca por soluções para os problemas ambientais envolvendo os resíduos hospitalares. Nesta pesquisa, procurou-se investigar como o processo é subdividido e as principais características das diversas fases do gerenciamento dos resíduos, para destacar os seus benefícios, dificuldades e consequências centrais. Os problemas de gerenciamento estão diretamente relacionados à conscientização de funcionários, médicos e gerencia do hospital. Ainda não é dada a devida importância à correta segregação, armazenagem e manuseio dos resíduos. Problemas secundários estão relacionados à falta de recursos e espaço físico. Por fim, faz-se necessário maior conhecimento técnico por parte do gerador, podendo este ser feito através da inserção de disciplina referente ao tema RSS nos cursos universitários.

Autor : RAFAEL NUNES ROMANO

Modalidade : AT 12 - Saúde: ciência e saberes no semiárido

Sala : PO - AT 12     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:O estudo das enteroparasitoses é de grande importância uma vez que as doenças parasitarias são comumente encontradas no homem e nos animais. Sua maior prevalência ocorre em populações de baixo nível socioeconômico. A exemplo, as comunidades que sobrevivem nos lixões encontrados nas maiorias das cidades brasileiras. Tais locais não proporcionam políticas públicas educacionais voltadas para saúde, deste modo, sua população apresenta-se vulneráveis aos mais variados tipos de doenças. Os lixões são áreas, na qual os resíduos sólidos urbanos produzido por uma cidade são colocados de forma aleatória, não havendo controle sobre resíduos lançados, ou localidade onde o mesmo está situado, Patos é uma cidade na qual não possui aterro sanitário, todos os resíduos sólidos urbanos produzidos pela população são descartados de forma irregular no lixão localizado no sitio pilões zona rural do município. Os coletores de material reciclável são grupos de trabalhadores informais em amplo crescimento que sobrevivem da coleta de materiais recicláveis, indicando um modo característico de vida com repercussões sociais, psíquicas e na saúde, Os coletores buscam entre os resíduos sólidos, materiais que sejam reaproveitados, tais trabalhadores não possui acesso a equipamentos de proteção individual (EPI), ao realizarem a coleta de materiais, é comum, acidentes por meio materiais perfuro-cortantes, como vidro, até mesmo agulhas provenientes de lixo hospitalar, originando assim lesões nos coletores. Tais lesões tornam-se caminhos de entrada para microrganismos presentes no lixo. A ausência de informação em analogia as medidas preventivas, sobretudo em populações com problemas socioeconômicos, é o principal condicionante para disseminação das enteroparasitoses, fazendo com que, a população em muitas ocasiões ignore os agravos que os parasitas ocasionam a saúde, ao se lesionarem os coletores se expõem a os agentes biológicos que são responsáveis por várias doenças dentre elas as parasitarias, As infecções provocadas por parasitas dentre eles os helmintos e protozoários, representam um amplo problema de saúde pública. As infecções ocasionadas por helmintos e protozoários apresenta sua maior prevalência em crianças, acarretando má-absorção de nutrientes, diarreia crônica, anemia, desnutrição e dores abdominais. As crianças acometidas por tais infecções podem manifestar retardo no desenvolvimento físico e cognitivo, gerando assim dificuldades na concentração e aprendizado, acarretando assim o baixo rendimento escolar. Os parasitos em humanos são comumente encontrados no aparelho digestivo especialmente em sua luz, de acordo com a organização mundial da saúde (OMS) as doenças parasitarias é uma das principais causas de óbito no mundo. Um dos pontos mais eficazes para o combater das doenças parasitarias é por meio Educação, uma vez que pessoas bem informadas em relação a higiene pessoal correm menos riscos de contrair tais doenças. A patogenia e a sintomatologia dos parasitos intestinais está relacionado a vários fatores exemplo as condições nutricionais e o grau de parasitismo do hospedeiro, podendo assim ocasionar prejuízo econômico por diminui sua disposição de trabalho, de tal modo não só afeta seu hospedeiro no caso o coletor de material reciclável mas sim toda a sua família, a educação voltada a saúde é, sem dúvida, o método mais eficiente das ações profiláticas.

Autor : HENRIQUE RAFAEL PONTES FERREIRA

Modalidade : AT 12 - Saúde: ciência e saberes no semiárido

Sala : PO - AT 12     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 14/12/2018     Hora inicio : 15:00:00     Hora Fim : 17:00:00

Resumo:Introdução: Zooterápicos são definidos como produtos de origem animal, onde tem seu uso muito frequente em diversas comunidades no Brasil, a partir do conhecimento popular, para o tratamento e amenização de sintomas de várias doenças (ALVES; ROSA, 2005). Sendo que seu uso é correlacionado às condições econômicas e precariedade do sistema de saúde em nosso país, considerado, portanto, uma primeira alternativa curativa para muitas comunidades tendo em vista o preço e acessibilidade de medicamentos que não é favorável para a realidade socioeconômica (FISCHER et al., 2018). Objetivos: Descrever o uso de zooterápicos no Nordeste brasileiro a partir de conhecimentos e práticas da população, por meio de artigos publicados na literatura cientifica, além disso, verificar as espécies e partes utilizadas de animais com fins terapêuticos em comunidades do Nordeste Brasileiro e estabelecer um perfil das comunidades que utilizam zooterápicos. Metodologia: Este estudo trata-se de uma revisão de literatura. A busca de artigos científicos ocorreu nas bases de dados Google scholar, Scielo e Periódicos capes, com os descritores de busca: zooterápicos, animais medicinais e etnozoologia, publicados de 2014 a 2018, com as buscas gerou um total de 809 artigos. A inclusão dos artigos se deu a partir da leitura do título, resumo e texto completo, com o critério de inclusão ser um estudo desenvolvido na região Nordeste do Brasil e estar disponível na integra. Para essa revisão, foi selecionado 11 artigos e para as análises de resultados foi levado em consideração o local de estudo, as características sociais dos entrevistados como escolaridade e renda, as espécies mencionadas nas entrevistas dos artigos, as principais finalidades de cada zooterápico e as principais conclusões de cada autor frente ao uso de zooterápicos. Resultados: Os artigos analisados foram desenvolvidos por meio de pesquisas qualitativas e quantitativas, realizados nos estados da Paraíba, Ceará, Pernambuco e Bahia. Os entrevistados eram pescadores, caçadores e demais pessoas, todos pertencentes a comunidades rurais. Em relação aos artigos selecionados, as espécies mais relatadas pelos entrevistados foram: Ovis aries Linnaeus, (n = 5); Bos taurus L. (n = 5); Salvator merianae (n = 5); Gallus gallus (n = 4); Mazama gouazoubira (n = 4). Além disso, as partes de O. aries, como gordura e sebo, foram utilizados para o tratamento de gripe, artrite, dor nas articulações e hidratante para os pés. B. taurus teve o leite, saliva, urina e fezes, relatado para o tratamento de bronquite, sinusite, gripe, sarampo, dor de garganta e trombose e a espécie S. merianae teve partes como o couro e gordura mencionados para o tratamento de otite, dor de garganta, tosse, dor de ouvido e gripe. Considerações finais: Pode ser considerado amplo os conhecimentos populares no uso de zooterápicos para o tratamento de diversas doenças e amenização de sintomas, além disso outras pesquisas devem ser elaboradas para compreender melhor essas relações entre populações tradicionais, a fauna e as enfermidades, vale ressaltar que o uso de zooterápicos consiste em conhecimento popular sua eficácia não é comprovada cientificamente, devendo ter respeito a natureza e seus recursos.

I CONGRESSO NACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO

Semiárido brasileiro: diversidade, tendências, tensões e perspectivas