Autor : DANIEL COSTA DA SILVA

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:A água pode ser definida como um dos elementos essenciais para à manutenção da vida na terra e é utilizada pela população em geral com o objetivo de atender suas necessidades básicas, além de ser amplamente utilizada em atividade agrícolas e industriais que são de extrema importância econômica. A sua composição é diversa, possuindo elementos provenientes do ambiente em que se encontra ou que foram incorporados através de ações humanas. A utilização da água é baseada em parâmetros de qualidade que definem qual é o uso mais apropriado para aquele tipo específico de água. Dessa forma, então, a qualidade da água é caracterizada como um aspecto indispensável em relação aos seus principais usos, como consumo humano. A água se distribui em grande parte da crosta terrestre, cobrindo cerca de 70% da mesma. Essa distribuição, no entanto, não garante que haja água de qualidade para toda a população mundial. A importância da água pode-se observar facilmente através da verificação de que grandes civilizações se formaram nas proximidades de lugares com grande disponibilidade de água. O uso da água pode ser dividido basicamente em dois: Uso consutivo e uso não consutivo. O uso consutivo é caracterizado pela utilização de uma certa quantidade de água de mananciais que posteriormente será devolvida em quantidade menor e / ou com qualidade inferior (CARVALHO et. al, 2007). Já o uso não consutivo é caracterizado pela utilização da água em seu prórprio manancial, não havendo portanto retirada do seu sistema de captação. O objetivo desse trabalho foi realizar uma comparação de parâmetros básicos de qualidade da água entre quatro municípios que estão inseridos na microrregião do Curimataú Oriental paraibano durante o mês de outubro de 2018. Os quatro municípios utilizados no estudo são: Araruna, Cacimba de Dentro, Dona Inês e Solânea. O estudo foi realizado através de dados obtidos pela Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (CAGEPA) que fornecem os parâmetros de qualidade de água em sua cobrança mensal. Os parâmetros fornecidos pela companhia são turbidez, quantidade de cloro, cor, quantidade de coliformes termotolerantes e quantidade de coliformes total. Turbidez e cor podem ser caracterizadoss como parâmetros físicos, quantidade de cloro como parâmetro químico e quantidade de coliformes termotolerantes e quantidade de coliformes total como parâmetros biológicos. Esses parâmetros podem ser definidos como indicadores da qualidade de água e podem indicar a presença de impurezas em quantidades superiores as estabelecidas como seguro para algum uso estipulado. Cada tipo de uso possuirá um tipo de parâmetro adequado, onde por exemplo os parâmetros ideais para consumo humano serão diferentes dos parâmetros ideais para irrigação ou uso industrial. A partir desses dados pôde-se concluir que a qualidade da água nos municípios estudados é ideal para o consumo humano e seus parâmetros não diferem muito entre si.

Autor : JHERSYKA BARROS BARRETO

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:O presente artigo discute de forma comparativa os conflitos referentes ao abastecimento de água, antes e durante o racionamento, de três municípios que pertencem ao Sistema Boqueirão. Esse sistema de abastecimento de água tem como manancial o Açude Epitácio Pessoa, que abastece mais de 2 milhões de pessoas, em mais de 18 municípios da Paraíba, dentre eles estão os municípios em estudo: Boqueirão, Campina Grande e Lagoa Seca. Objetiva identificar as mudanças ocorridas durante o período de racionamento, se houve algum tipo de privilégio no abastecimento de água de um município em detrimento de outros, por exemplo. A metodologia adotada foi de revisão bibliográfica, consulta a veículos de informação online e consulta a base de dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento – SNIS, com o levantamento de informações sobre: os investimentos totais realizados pelo prestador de serviços (R$/ano) nos municípios em estudo; tarifa média praticada (R$/m³); consumo médio per capita de água (l/hab./dia); e índice de perdas na distribuição (%). Consultou-se também a base de dados da AESA para compreender o processo de diminuição do volume de águas do açude Epitácio Pessoa, que conduziu para a situação de colapso anunciado, que foi evitado com a chegada das águas da Transposição do Rio São Francisco. Dessa forma, ao observar o consumo médio per capita de água dos três municípios no período em estudo, nota-se que, além da disparidade entre o consumo dos três municípios, a redução do consumo só teve início a partir do racionamento. Ou seja, mesmo com a problemática hídrica existente nos anos anteriores, não houve uma mudança espontânea nos hábitos e consumo da população de cada município. No entanto, deve-se levar em consideração a situação de vulnerabilidade do açude, que ainda não superou totalmente a pior seca da sua história, pois, mesmo com as águas da Transposição que ajudaram a elevar o seu volume, o açude está longe do seu volume máximo.

Autor : KENNEDY FLÁVIO MEIRA DE LUCENA

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:O Brasil apresenta invejável potencial hídrico, mas em função de sua extensão territorial e diversidade climática apresenta uma distribuição desigual e irregular das águas, observando-se regiões com balanço hídrico positivo e outras negativo como é o caso do semiárido nordestino. A área do semiárido do nordeste do brasileiro abrange aproximadamente 53% dessa região, onde vivem mais de 20 milhões de habitantes. As dificuldades que essa população enfrenta com a escassez hídrica são conhecidas há séculos e apesar de todo o desenvolvimento científico e tecnológico ainda são presenciados problemas na disponibilidade de água para os variados fins. O uso de energias renováveis tem se expandido no Brasil nos últimos anos, diversificando sua matriz energética que é essencialmente hidroelétrica. Nesse sentido, a energia fotovoltaica apresenta-se como uma fonte cada vez mais viável técnica, economicamente e ambientalmente para minimizar as carências hídricas de regiões onde com difícil acesso a energia elétrica. Este estudo tem como objetivo principal realizar a avaliação de um sistema de bombeamento fotovoltaico nos aspectos hidráulico e energético, e analisar sua aplicabilidade no fornecimento de água, particularmente regiões semiáridas, seja para o abastecimento humano, como para fins de produção de renda e subsistência. O trabalho consistiu de uma avaliação experimental do sistema de bombeamento e de uma análise prospectiva de suas aplicações. O experimento foi desenvolvido no Campus Campina Grande do IFPB, com Latitude: -7,24053 e Longitude: -35,915744 e altitude de aproximadamente 499 m. O sistema de bombeamento compreendeu os seguintes componentes: dois painéis fotovoltaicos, duas bombas hidráulicas de deslocamento positivo, medidor de vazão, medidor de pressão, medidor de corrente e tensão, 2 caixas d’água de 500 L. Foram determinadas experimentalmente as curvas características das bombas e as propriedades elétricas dos painéis solares. Na avaliação das bombas de diafragma pode-se considerar que há uma relação linear entre a pressão e a vazão. Para bomba 1 obteve-se a curva: Q = -0,0184. H+5,62 (R2=0,94) e para bomba 2, Q = -0,0394.H + 6,53 (R2 = 0,99). As bombas apresentaram capacidade de elevação até 60 mca com uma vazão média de 5,65 L/min. A corrente consumida variou de 2,58 A a 8,02 A para uma variação de elevação de 0 a 60 mca. A potência consumida variou de 31 W a 96 W. Em função da variabilidade da radiação solar foram registradas tensões geradas pelos painéis de até 19,5 V nos dias de testes. Verificou-se uma oscilação constante nas tensões fornecidas pelos painéis em função da variação da radiação solar provocada pela passagem de nuvens. A partir das 7 h horas já foram observadas tensões capazes de promover a operação das bombas, ficando inviável a partir das 17 h. Assim, pode-se afirmar que mais de 8 horas de bombeamento é possível com essa configuração de sistema. Em termos médios o sistema poderia bombear cerca de 3.240 L/dia nas condições de Campina Grande. Em localidades com menos nebulosidade esse rendimento pode ser superior. Considerando essa disponibilidade de água já seria viável o plantio de 600 m2 de milho verde, como uma população de 2.400 plantas. Considerando que o objetivo seja o consumo humano, o volume disponibilizado poderia atender mais de 60 pessoas por dia, a um consumo por pessoa de 50 L. Considerando os custos de aquisição do sistema e seu potencial, pode-se comprovar sua capacidade de atender as necessidades hídricas de populações que sofrem com a falta de energia e de água, e, portanto sua viabilidade técnica e econômica.

Autor : VINICIUS NOVO DA SILVA

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:A escassez hídrica é uma realidade do semiárido brasileiro, que devido a suas características climáticas, geológicas, geomorfológicas, econômicas e sociais, apresenta inúmeras adversidades associadas a captação e usos múltiplos da água. Devido a tal situação, o desenvolvimento de técnicas e tecnologias que possam permitir o convívio com a seca são essenciais para potencializar a qualidade de vida da população, sendo as cisternas um exemplo prático e eficiente destas técnicas. Por meio disto, o presente trabalho tem por objetivo analisar os métodos de Rippl e Azevedo Neto apresentados na NBR 15527:2007, para o dimensionamento de cisternas, a fim de realizar um comparativo quanto a sua aplicação em diferentes municípios do semiárido paraibano. Foram selecionados dados pluviométricos em estações meteorológicas convencionais obtidos no site do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). As estações selecionadas foram as de São Gonçalo (Distrito do município de Sousa) e Patos, no interior da Paraíba, e o intervalo escolhido foi de 01 de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2017, permitindo uma precisão maior nos resultados obtidos e uma análise mais criteriosa do comportamento pluviométrico da região. Como métodos para análise de dados e dimensionamento dos reservatórios considerou-se os métodos de Rippl e de Azevedo Neto, descritos na NBR 15527:2007 que apresentam os requisitos para aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis. A sistematização destes métodos se deu por meio de adaptação dos cálculos em Excel 2013, com base no trabalho desenvolvido por Tomaz (2007). Os resultados obtidos para aplicação do método de Rippl foi de 24,63 m³ para Patos e 19,66 m³ para São Gonçalo, entretanto os dados de Patos, apesar de terem sido gerados, não podem ser considerados para este método, tendo em vista que a demanda hídrica foi superior ao volume captado. Na aplicação do método de Azevedo Neto os resultados obtidos foram de 8,20 m³ para Patos e 8,54 m³ para São Gonçalo, sendo possível verificar uma diferença menos expressiva entre os dados obtidos para as duas estações, se comparado aos resultados do método anterior. Nesse método observa-se que, ao contrário do método de Rippl, o volume da cisterna para a região de São Gonçalo apresenta uma diferença de 0,34m³ em relação a de Patos, isso pode ser justificado pelo fato de que neste método é desconsiderada influência da demanda, analisando apenas o volume captado anualmente e os períodos de estiagem. No que se refere ao comparativo entre os valores obtidos para ambos os métodos foi possível constatar uma divergência considerável entre os valores. Para a região de Patos, em específico, faz-se necessária a aplicação de outras metodologias de dimensionamento que possam acarretar em resultados mais significantes e positivos para a população. Quanto a situação de São Gonçalo, o método de Rippl mostrou-se o mais adequado para o dimensionamento dos reservatórios, tendo em vista que, com base na relação entre o acumulado pluviométrico anual e os meses de estiagem analisados no método de Azevedo Neto, uma cisterna de maior volume será mais eficaz no atendimento da demanda hídrica durante os períodos de pouca chuva. Por conseguinte, a aplicação dos métodos de dimensionamento é essencial para obtenção de resultados mais satisfatórios quanto ao desenvolvimento de técnicas para melhorias no convívio com a seca. Por meio destas, é possível minimizar os custos com os reservatórios e ainda atender da melhor forma a demanda hídrica da população, otimizando sua qualidade de vida, e ainda reduzindo a pressão sobre os mananciais, possibilitando o direcionamento destes recursos para usos mais nobres.

Autor : CÉSAR RODRIGUES DE SOUZA NETO

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:A seca é um grave problema hídrico que acomete vários estados do Nordeste. No Rio Grande do Norte as regiões que mais sofrem com a falta de água são o Seridó e o Alto Oeste potiguar. No Alto Oeste, encontra-se o município de Pau dos Ferros, que enfrenta uma crise de abastecimento devido a uma estiagem que durou cerca de 7 anos. Durante o período da seca o principal açude que abastece a cidade, batizado de Dr. Pedro Diógenes Fernandes, chegou a um volume de 0% e a população da cidade passou a usar o espaço do açude indevidamente, com atividades como criação de animais, plantação e descarte inapropriado de lixo. No o primeiro trimestre de 2018, Pau dos Ferros registrou um acumulado de chuvas de 374 mm, segundo dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn). Hoje em dia o reservatório ainda não apresenta 100% do seu volume total, mas possui água suficiente para consumo humano e animal racionalizado, de acordo com uma reportagem do jornal INTER TV, para isso, a cidade foi dividida em três zonas, nas quais a água chega em média a cada duas semanas, num sistema de revezamento. Essa água chega acompanhada de reclamações de parte da população em relação ao seu cheiro. Nesse contexto, o objetivo dessa pesquisa foi fazer uma análise físico-química da água bruta e da água tratada, para investigar os efeitos negativos da poluição e degradação no manancial e verificar se o tratamento padrão feito pela Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caern) está sendo eficaz para atingir os padrões de potabilidade da Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, do Ministério da Saúde. Para isso, foi feita a coleta de duas amostras, a primeira, de água bruta na estação de tratamento de água (ETA) e, a segunda, de água tratada em uma residência da cidade de Pau dos Ferros. As análises laboratoriais foram feitas no laboratório do IFRN, Campus Natal-Central, com a metodologia dos Procedimentos Operacionais Padronizados (POP) de análises de águas e efluentes da Diretoria Acadêmica de Recursos Naturais, que usa como referência o Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater (2012), da American Public Health Associations (APHA) e os parâmetros analisados foram pH, condutividade elétrica, alcalinidade, dureza total e de cálcio, cloreto, salinidade, nitrito, nitrato, nitrogênio amoniacal, sódio, potássio, cor, turbidez, sólidos dissolvidos totais e ferro. Os resultados quanto à análise da amostra de água bruta, mostram que a água do manancial apresenta alta turbidez, coloração, e concentração de cloretos, além do resultado de dureza total indicar que a água se classifica como dura. Já os resultados das análises de água tratada mostram que apenas dois parâmetros apresentam resultados acima do permitido pela legislação, sendo eles cor e cloreto. A cor na água tratada está 10 uH acima do Valor Máximo Permitido (VMP). Já a quantidade de cloreto na água pós-tratamento chega a quase o dobro do VMP, e a 37,5% a mais do que a quantidade na água bruta. Com isso, conclui-se que apesar do uso impróprio do espaço do manancial, sua degradação não foi tão significativa para impossibilitar a sua mitigação natural, porém a água pós-tratamento possui uma concentração muito alta de cloreto, o que explica a reclamação da população em relação ao seu cheiro, e a classifica como imprópria para consumo humano, segundo a Portaria 2.914/2011.

Autor : EMANOEL FERREIRA CARDOSO

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:Saneamento básico é o controle de todos os fatores do meio físico do homem, que podem exercer efeitos nocivos sobre o bem estar físico, mental e social. Muitos problemas de saúde ambiental são causados por deficiências de saneamento e exigências crescentes de proteção ambiental, agravadas pela intensificação da urbanização. No Brasil, as companhias estaduais são responsáveis por 79% da população abastecida e os demais, por sistemas operados pelas prefeituras municipais ou convênios com o governo federal. O acesso à água deve proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas, considerada potável quando apta à alimentação, higiene e prevenção de doenças. Diante disso, o presente artigo tem por objetivo analisar e discutir a evolução do abastecimento de água encanada em Jucás-CE por meio da análise de dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento). Usando a ferramenta QGIS, software livre de geoprocessamento, e utilizando arquivos em SHAPE FILE do IBGE, foi gerado um mapa de localização do município de Jucás-CE, e gerados três mapas temáticos que expressam a sua situação, em meio ao cenário estadual, quanto à porcentagem da população em domicílios com acesso a água encanada considerando apenas a zona urbana nos respectivos anos de 1991, 2000 e 2010. Este processamento foi executado também com o software livre QGIS, mapas estes que em suas legendas se encontram divididas em cinco classes de cores que representam a divisão a cada 20%. Em cada um destes três anos a cidade de Jucás foi comparada com outros municípios, no estado do Ceará, com realidades semelhantes quanto ao serviço de abastecimento de água encanada. Posteriormente foi gerado um gráfico no Excel expressando a situação apenas de Jucás nos referidos anos. Segundo o último censo realizado pelo IBGE em 2010 a zona urbana de Jucás detinha cerca de 14150 habitantes. No ano de 1991, o índice de domicílios da zona urbana com acesso a água na cidade de Jucás estava entre 0 a 20%, isso porque neste tempo as políticas públicas voltadas para saneamento básico eram escassas, seja federal, estadual ou municipal. Em 2000, Jucás apresenta um índice melhor, 40 a 60%, isso devido a obras de abastecimento de água feitas pelo poder municipal, como ampliação da rede de abastecimento e reformas na ETA do munícipio. No último ano de análise, Jucás aumentou de novo seu índice, ficando entre 60 a 80%, em virtude de ter começada a ser abastecida pelo açude Muquém, localizado na cidade vizinha, Cariús. Durante a análise, observou-se que Jucás saiu do índice de 0 a 20% no ano de 1991 e alcançou o patamar de 60 a 80% no ano de 2010, devido a obras de infraestrutura e ampliação da rede de distribuição de água. Comparando Jucás com cidades de infraestrutura semelhantes, Jucás apresenta melhor índice, assim o poder público municipal melhorou a qualidade de vida dos jucaenses.

Autor : RAYSSA DE LOURDES CARVALHO MARINHO DO RËGO

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:O acesso limitado a água superficial em várias regiões semiáridas do mundo contribui para que a água subterrânea seja uma fonte alternativa para suprir as necessidades básicas humanas. No Brasil cerca de 39% dos municípios, utilizam esse recurso hídrico subterrâneo como a única fonte de abastecimento (BRASIL, 2010). Todavia, as águas subterrâneas são bastante vulneráveis à poluição, em virtude da exposição a processos como a urbanização, o desenvolvimento industrial, as atividades agrícolas e as empresas de mineração (SALGADO, 2016). A cidade de Campina Grande, no estado da Paraíba, apresenta vários pontos de contaminação e sua população enfrentou a maior crise hídrica da sua história, entre os anos de 2014 a 2017, na qual, buscou na água subterrânea urbana uma fonte alternativa de abastecimento. No entanto, essa explotação de águas subterrânea e consequente uso sem controle qualitativo, pode representar um perigo a saúde pública. Um dos parâmetros mundialmente utilizados como indicativo de contaminação de água subterrânea, é o íon nitrato (NO3-), sobretudo, devido às propriedades de alta mobilidade e persistência na água subterrânea, com capacidade de contaminação de extensas áreas (CETESB, 2007). Por isso, o presente estudo tem como objetivo avaliar as concentrações de nitrato de águas subterrâneas em duas microbacias urbanas na cidade de Campina Grande-PB, enfatizando os riscos associados à saúde devido ao uso incorreto destas águas. As coletas foram realizadas em duas microbacias urbanas na cidade de Campina Grande-PB, no período de fevereiro a agosto de 2017, semanalmente no turno diurno. Foram avaliados 5 poços nas bacias em estudo, que tinham suas águas usadas para diveros tipos de uso, inclusive o consumo humano. Antes da coleta, os pontos de saída de água eram higienizados com álcool por cento e feita a liberação de toda a água estagnada na tubulação por dois minutos. Após a coleta, as amostras eram encaminhadas para o Laboratório de Saneamento na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). No total foram analisadas 100 amostras, utilizando o método de coluna de redução de cádmio, de acordo as orientações descritas no Standard Methods for the Examination of Water and Waste water (APHA/AWWA/WEF, 2005). Todos os dados obtidos foram submetidos a estatística descritiva, para melhor análise final. As concentrações de nitrato encontradas nas amostras analisadas, variaram de 0 a 6,77 NO³/mg. Os pontos P3 e P4 onde funcionavam uma empresa de prestação de serviços e um comércio de lava jato respectivamente, foram os maiores valores absolutos obtidos nas análises. Tais resultados podem ser decorrentes do posicionamento geográfico destes pontos, que estavam posicionados a jusante de um açude urbano com águas eutrofizadas, indicando uma possível contaminação no aquífero devido ao declive e a proximidade dos pontos. O ponto P2, um posto de gasolina, que também estava posicionado à jusante do açude, apresentou os menores resultados do grupo amostral, chegando a mais de 70% das amostras analisadas com concentrações nulas de nitrato. No entanto, todos os valores das concentrações de nitrato obtidos estavam de acordo com os valores máximo permitido (VPM) pela Portaria de Consolidação nº 5, de 28 de setembro de 2017, que estabelece o máximo de 10 NO³/mg. Dessa forma, pode-se concluir que de acordo com a avaliação do indicador nitrato, as águas subterrâneas analisadas em duas microbacias urbanas na cidade de Campina Grande-PB estavam em consonância com o padrão estabelecido pela Portaria MS 2914/2011. Porém para que possa ser confirmado o uso para ingestão humana, deve ser realizada em pesquisas futuras a análise dos demais indicadores propostos pela portaria supracitada.

Autor : MARIA ALINE APARECIDA TEIXEIRA DA SILVA

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:A escassez de recursos hídricos é um problema cada vez mais grave e se deve a fatores como o consumo excessivo de água bruta, as mudanças climáticas, a poluição da água e o consumo insustentável deste bem. Nas atividades da construção civil é comum ocorrer negligência referente à qualidade e armazenamento da água, como também o controle da dosagem na produção de concretos e argamassas. Outro fato relevante é a demanda de água durante a execução dos serviços, principalmente na lavagem de equipamentos, pois não há controle no consumo. Assim, de forma a atribuir benefícios para o meio ambiente é que foi embasada a ideia de analisar a água utilizada nos canteiros de obras na cidade de Monteiro-PB, localizada no semiárido paraibano. O objetivo foi analisar a qualidade, origem e manejo da água nos canteiros de obras. A metodologia se baseia em observações visuais, coletas de informações por meio de fichas pré-elaboradas e coleta de uma amostra de água para análise química e avaliação de sais. Foram visitadas dez obras em construção na cidade durante os meses de julho a setembro de 2018. As observações mostraram que em cinco dos dez canteiros visitados há uso de água do abastecimento público, em quatro usam água de poço artesiano e apenas um canteiro usava água de barreiro, dentro do terreno. A água era armazenada em reservatórios dentro e fora do canteiro, sem tampas e de materiais emborrachado, metálico ou de plástico com capacidades entre 200 e 1000 litros. Quanto aos ensaios, os resultados de cloretos e sulfatos foram abaixo dos especificados na norma NBR 15900 (2009). Foram detectadas quantidades consideráveis de carbonatos nas amostras de abastecimento público, já nas amostras de poços predominaram cloretos, bicarbonatos, sódio e magnésio e, em menor quantidade sulfatos, cálcio e potássio. A condutividade elétrica considera a quantidade total de sais sem especificá-los. Nas amostras, a CE variou de 343,0 µS.cm-¹ (Amostra 5 do abastecimento) a 3337,0 µS.cm-¹ (Amostra 6 de poço), cujo valor máximo representa uma água salinizada. Quanto ao pH, a água de abastecimento apresentou valores superiores aos dos poços, mas ainda estão de acordo com a norma NBR 15900 (2009) que apresentaram valores superiores a cinco. Conclui-se que a melhor água para ser usada nos traços do concreto era a do barreiro, pois apresentava menores teores de cloretos e sulfatos. Apesar das águas de poços apresentarem maiores teores de sais, mesmo assim podem ser usadas nas construções, levando-se em conta o que determina a norma NBR 15900 (2009). Há uma considerável quantidade de poços no semiárido monteirense e geralmente as obras usam esta água, pois há escassez desse recurso na região e também os proprietários não pedem a ligação provisória de água, dependendo de poços e barreiros da região cuja água é transportada por carro pipa.

Autor : SHELTONLAINE RODRIGUES DE SOUZA

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:Nas últimas décadas o semiárido brasileiro vem sofrendo com indisponibilidade de agua isso se agrava quando falamos da área rural, que piora em períodos de estiagem. No município de Barro, situado no sul do estado do Ceará, cerca de 37% das residências estão localizadas na zona rural, o abastecimento de água de 17,63% de toda população é proveniente de poços ou nascentes (IPECE, 2015). Quando ocorre rejeição pelo padrão organoléptico do homem vem a ser intuitivo, ocorrendo às vezes a rejeição de água de fontes inaceitáveis, mas em contrapartida seguras para o consumo, preferindo de uma fonte mais agradável, porém inseguras. Desse modo, água de consumo humano não pode apresentar cor, gosto, odor por aceitação da assimilação de alguns sentidos humano (HELLER e PÁDUA, 2010). Em vista disso este estudo objetivou verificar a qualidade físico-química e bacteriológica da água de cacimbas que são utilizadas para os mais diversos usos no Sitio Alegre, no distrito de Iara, cidade de Barro Ceará. A pesquisa foi realizada no distrito de Iara, foi direcionada aos residentes do Sítio Alegre que possuam cacimbão, cacimba ou similares. As análises físico-químicas, selecionadas de acordo com o padrão estabelecido pela Portaria Nº 2914, de 12 de dezembro de 2011 Ministério da Saúde. A seleção dos pontos para a coleta do material foi determinada de forma aleatória, visando contemplar todo o curso hídrico que corta o sítio. Nos domicílios escolhidos, houve a coleta em torneiras na residência quando não foi possível coletar diretamente no cacimbão. A caracterização físico-química e bacteriológica das amostras de água foram realizada no laboratório da FATEC Cariri, em Juazeiro do Norte - CE.. As análises foram feitas visando diagnosticar a real situação da qualidade da água realizando a análise de alguns parâmetros contidos na avaliação do Indice de Qualidade de Água - IQA, dentre esses a determinação de Turbidez, Condutividade Elétrica, Dureza Total, Cloretos, Nitrogênio Amoniacal, Nitrato, Nitrito, pH, Alumínio, Ferro Total, Sólidos Totais Dissolvidos, Manganês, coliformes totais e E. coli, porém não foi feito o cálculo por não haver resultados suficientes para realizar o mesmo, contudo foram avaliados segundo a Portaria Nº 2914, de 12 de dezembro de 2011 Ministério da Saúde . Os parâmetros físico-químico, pH, Cloretos, Nitrogênio Amoniacal, Nitrito e Alumínio encontraram-se em conformidade com a portaria utilizada como referência, foi possível perceber que as águas coletadas são moderadas ou duras, Nitrato, Manganês e Ferro total em algumas amostras encontram-se acima do valor máximo permitido, a Turbidez de todas as amostras estão fora do padrão estabelecido. Já o bacteriológico houve presença de coliformes totais em todas as amostras coletadas e a ausência de E. coli apenas em duas amostras, podendo ser justificada quanto à estrutura física e a posição geográfica dos cacimbões apesar de todos os cacimbões se encontrarem a uma distância segura das fossas ainda sim houve contaminação dessas águas. Os resultados expostos são de extrema importância para alertar a população sobre a qualidade da água que consomem e usam para diversos fins no Distrito de Iara do município de Barro-CE.

Autor : CINTHIA MARIA DE ABREU CLAUDINO

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:A disponibilidade de água em quantidade e qualidade adequadas para diversos usos é um dos desafio na atualidade (PAIVA, 2001). A escassez deste recurso leva a busca de alternativas, sendo a mais difundida a utilização de águas subterrâneas. No entanto, esta solução apresenta a qualidade comprometida, já que a rede nacional de monitoramento não é tão abrangente, o que leva a utilização dessa água sem tratamento prévio. Hoje, sabe-se da importância de se tratar a água, pois é capaz de veicular grandes quantidades de contaminantes físico-químicos e/ou biológicos (TORRES et al., 2000). Entre as formas de tratamento mais simples e difundidas está o uso de filtros, que serve para a realização do tratamento primário, na sua confecção podem ser utilizados materiais alternativos oriundos de atividades agropecuárias, tendo como vantagem a possibilidade de serem compostados após a filtração (Lo Monaco et al., 2009). No entanto, se não for utilizada da forma correta essa técnica pode gerar mais contaminação da água. Nesta ótica, a pesquisa buscou verificar a eficiência de um filtro produzido com material alternativo tendo a manutenção negligenciada e assim atentar a uma nova problemática do perigo do uso de técnicas de forma errônea. Para atingir o objetivo da pesquisa utilizou-se de duas metodologias, uma com base bibliográfica e uma com base experimental. A primeira diz respeito a estudos com base em artigos que tratem do uso de materiais orgânicos em filtros, a partir desse apanhando, sendo selecionado o que mais se adequa a realidade do local da pesquisa. A partir da escolha da solução foi iniciada a segunda etapa com a reprodução de um filtro com materiais de fácil acesso e com os sugeridos pela bibliografia. A pesquisa foi desenvolvida na cidade de Araruna, a escolha do local levou em conta a grande utilização de poços como forma de abastecimento em períodos de estiagem na cidade. Quanto a parte laboratorial, o filtro e amostras filtradas foram produzidos na Universidade Estadual da Paraíba e as analises foram feitas na Universidade Federal de Campina Grande. A pesquisa bibliográfica indicou utilização da matéria orgânica proveniente da semente da planta Moringa oleifera, os outros materiais utilizados foram a brita 0 e a serragem de madeira. A bibliografia serviu também como base para decisão do parâmetro mais conveniente para análise, por se tratar de águas subterrâneas foi escolhido a salinidade. Assim foi utilizado da condutividade elétrica para medir a concentração de sólidos dissolvidos totais. A parte prática iniciou com a construção do protótipo do filtro onde foram utilizados tubos de PVC e reservatórios plásticos. As analises foram feitas em dois poços, em cada foram retiradas duas amostras, sendo cada amostra analisada antes e após a filtragem. Para o primeiro poço obteve-se um aumento de sólidos totais na amostra I de 52,73% e na amostra II de 39%, já no segundo poço a amostra III teve um aumento de 84,25% e a amostra IV de 34,95%. Esses aumentos mostram o inconveniente formado pelo mau uso de uma tecnologia desenvolvida para melhorar a qualidade da água. Além disso quando são comparadas os resultados das amostras com o padrão fornecido pelo Ministério da Saúde que define para as águas naturais uma condutividade elétrica devem variar na faixa de 10 a 100 μS/cm, os valores encontrados ultrapassam essa faixa se enquadrando próximo dos valores fornecidos para ambientes poluídos por esgotos domésticos ou industriais que é de aproximadamente de 1.000 μS/cm. Isso demonstra um cenário preocupante em que a água não se apresenta em qualidade para fins potáveis, além de atentar para a conscientização da população tanto para o uso de tecnologias de tratamento como para manutenção correta destas.

Autor : LAYLA BRUNA LOPES REGES

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:O estresse salino é um dos estresses abióticos que mais limitam produtividade das culturas agrícolas, em regiões de clima árido e semiárido. Entretanto, nessas regiões o uso de água salobras é inevitável, devido à baixa disponibilidade hídrica e os constantes períodos de estiagem, essas fontes hídricas são essenciais para manutenção da agricultura irrigada destas regiões. Assim, surge a necessidade de se incorporar estratégias de manejo e convívio com o semiárido, visando melhorar à resposta das plantas ao estresse salino. Estudos constantes vêm sendo realizado nessa temática, principalmente aqueles com potencial de melhorar a absorção e assimilação de nutrientes. A interação salinidade e adubação nitrogenada é amplamente abordada na literatura, devido ao nitrogênio ser requerido em maiores quantidades pelas plantas, e por desempenhar função estrutural em diversos compostos metabólicos, dentre eles os responsáveis pelo ajuste osmótico. Com isso, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência fotoquímica de plantas de abobrinha italiana cv. Caserta submetidas ao estresse salino e adubação com fontes de nitrogênio nítricas e amoniacais em cultivo hidropônico. Por conseguinte, o experimento foi conduzido em estufa, com cobertura de polietileno, pertencente ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA), em Mossoró-RN, sob as coordenadas geográficas 5°11’ S e 37°20’ W, e 18 m de altitude. O experimento foi instalado em um delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial 5 x 2, sendo cinco concentrações salinas da água para preparo da solução nutritiva (condutividade elétrica de 0,5; 2,0; 3,5; 5,0 e 6,5 dS m-1) e duas fontes de nitrogênio (Nítrica e Amoniacal), com quatro repetições e três plantas por repetição. As plantas foram cultivadas em vasos plásticos com capacidade para 6 litros, preenchidos com fibra de coco. As plantas foram conduzidas em sistema hidropônico, com todos os nutrientes necessários ao desenvolvimento da cultura, variando apenas as fontes de nitrogênio. Vale salientar que as soluções da fonte amoniacal receberam inibidor de nitrificação, garantindo absorção do nitrogênio exclusivamente na forma amoniacal. As águas salinas foram produzidas pela adição de sais de cloreto de sódio, cloreto de cálcio e cloreto de magnésio na proporção 7:2:1. Para a aplicação da solução de irrigação foram utilizados autocompensantes de vazão de 1,4 L h-1. A eficiência fotoquímica foi avaliada na fase de florescimento, com auxílio de um fluorômetro de pulso modulado, com o qual se determinou a fluorescência inicial (Fo), a fluorescência máxima (Fm), a fluorescência variável (Fm-Fo) e a eficiência quântica do fotossistema II (Fv/Fm). Os resultados mostraram que as plantas nutridas com a fonte de nitrogênio amoniacal apresentaram maiores valores para fluorescência inicial e menores valores para fluorescência variável e eficiência quântica do fotossistema II. Dessa forma, conclui-se que o nitrogênio amoniacal reduz a eficiência fotoquímica de plantas de abobrinha submetidas ao estresse salino.

Autor : HAILA NAYARA RODOPIANO CHAVES

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:Mesmo a água sendo um recurso essencial para sobrevivência e manutenção dos ecossistemas, existem regiões que sofrem diretamente com a escassez hídrica, principalmente o semiárido brasileiro. Como alternativa para mitigar essa problemática, muitas famílias paraibanas recorrem à construção de cisternas e fazendo seu abastecimento através das águas dos açudes Epitácio Pessoa e Araçagi, que são transportadas por carros pipa até suas residências. Para auxiliar o abastecimento da água, na região do semiárido paraibano, a transposição do Rio São Francisco visa aumentar o fluxo da água nessa região. Além da escassez, têm-se às características do solo cristalino e a baixa pluviosidade que resulta numa água com teor de salinidade significativo. Diante disto, o trabalho objetiva analisar este grau de salinidade das águas provenientes dos açudes que são armazenadas em cisternas localizadas na região do Cariri Oriental da Paraíba, a fim de enquadra-las na resolução CONAMA 357/2005, além de comparar o teor de salinidade antes e depois do projeto de transposição das águas do Rio São Francisco no açude Epitácio Pessoa. As cisternas selecionadas estão localizadas nos municípios de Barra de Santana, Caturité e Boqueirão, onde foi possível identificar e selecionar estrategicamente famílias que utilizavam cisternas para consumo humano, através da ajuda de Organizações Não Governamentais (ONGs), sindicatos rurais e visitas in loco. Estas famílias recebiam águas advindas dos açudes Epitácio Pessoa e Araçagi, no qual eram transportadas por carros pipas. Foram selecionadas seis (06) cisternas nas quais analisou-se amostras entre os meses de fevereiro a julho do ano de 2017, utilizando a sonda multiparâmetros HANNA ® modelo HI 9829 para verificar o teor de salinidade. Com base na média aritmética dos dados obtidos foi possível verificar que as águas das cisternas encontram-se classificadas como água salobra de acordo com a resolução CONAMA 357/2005 pois obtiveram salinidade média entre 0,52 a 0,91 psu. Fatores como as características do solo, que são cristalinos e consequentemente tornam as águas dos açudes ricas em sais, e a alta taxa de evaporação associada a baixa pluviosidade explicam a maior taxa de salinidade nos açudes da região. Outro fator observado durante o estudo foi a variação no teor de salinidade das águas armazenadas em cisternas abastecidas pelo açude Epitácio Pessoa, quando este passou a receber as águas transpostas do Rio São Francisco, verificando-se uma baixa no grau de salinidade após a recepção das águas. Tais alterações ocorreram devido à vazão e diferentes características que as águas possuem aumentando, assim, a solubilidade dos sais e diminuindo sua concentração. Tão logo, mesmo as águas estando classificadas como salobras, é imprescindível que a mesma seja utilizada para abastecimento humano, após tratamento adequado, devido às condições meteorológicas e a indisponibilidade hídrica da região. Projetos como o de transposição do Rio São Francisco auxiliam não somente no aumento de disponibilidade de água do semiárido como também auxiliam na melhora do teor de salinidade, tendo em vista que tais águas são para consumo humano. Entretanto vale salientar que são necessários mais estudos de outros padrões a fim de garantir que tais águas encontram-se dentro dos padrões de qualidade.

Autor : JASMYNE KARLA VIEIRA SOUZA MACIEL

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:O saneamento básico, de acordo com a lei n° 11.445 (2007) é o conjunto de serviços, infra-estruturas e instalações operacionais de quatro serviços públicos: abastecimento de água potável; esgotamento sanitário; drenagem urbana; e manejo de resíduos sólidos urbanos. Logo, o saneamento básico pretende proteger o meio físico e o homem; uma vez que este atua diretamente no controle e atenuação do impacto da poluição e degradação causada pelo homem no meio ambiente e na sociedade. Assim, a universalização desses serviços é fundamental para a qualidade ambiental, da vida humana e o desenvolvimento das sociedades. A falta de atendimento a determinadas áreas ou a prestação de maneira ineficiente gera um ambiente desequilibrado, insalubre e degradado.Com base nessa problemática, o presente trabalho investiga e descreve alguns dos aspectos da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário na Paraíba, descrevendo o cenário atual do mesmo; visando avaliar as desigualdades existentes no estado e as incertezas que impedem a universalização do saneamento no estado, tornando-se ponto de partida para estudos mais aprofundados sobre o tema, que busquem garantir melhores condições de vida e saúde para a comunidade paraibana. Para tal, foi feito um levantamento de dados relacionados aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, junto a órgãos públicos, principalmente os dados levantados no SNIS. Foi tomado como referência para análise e sistematização de tais dados, as faixas populacionais de cada município, a cobertura da prestação desses serviços, a relação dos serviços ofertados à população rural e urbana e a relação entre a oferta de abastecimento de água e esgotamento sanitário. Por meio do tratamento e organização dos dados obtidos foi construído um banco de dados em planilhas e gráficos do Excel, que permitiu a análise e caracterização desses serviços. A partir desse estudo tornou-se possível destacar as principais divergências existentes no estado e diagnosticar quais áreas, populações e serviços são mais precários na prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário. Ficou evidente que os municípios com pequena população são os que apresentam piores índices e taxas de atendimento. Em geral, os municípios com até 20.000 habitantes apresentam tais taxas de atendimento menores que os municípios com mais de 100.000 habitantes. É possível, ainda, perceber que a população rural possui situação de atendimento precária e inferior a urbana, onde a taxa de atendimento da população urbana para abastecimento e esgoto é respectivamente 95,93% e 48,84% e para a população rural essas taxas são respectivamente 20,81% e 9,32%. Por fim, a prestação do serviço de esgotamento sanitário ainda é preocupante, atendendo somente 39,05% da população do estado; já o abastecimento de água atende 77,90% da polução e mesmo sendo mais abrangente, não atingiu a universalização. Foi possível, desta forma, identificar que os pequenos municípios e a zona rural representam os quadros mais frágeis para o atendimento dos serviços de saneamento, enfatizando a importância da criação de políticas de planejamento e investimentos direcionados para essas localidades de forma a estimular o acesso de maneira satisfatória e igualitária para todas as esferas da sociedade no que se refere a prestação de serviços básicos e essenciais à vida.

Autor : NATÁLIA SOUTO DE ARAÚJO

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:A água é uma substância extremamente necessária para a sobrevivência de todos os seres vivos, principalmente os seres humanos. Entretanto, algumas regiões do mundo carecem de água e a encontrada nem sempre está em condições de consumo. O sertão do nordeste brasileiro é uma delas, o que leva a população a recorrer ao uso de poços artesianos na obtenção de água proveniente dos lençóis freáticos. Tendo isso em vista, foi pensada a busca por alternativas fáceis de filtragem e purificação de água para esses locais e uma delas foi a casca da banana seca e triturada na intenção de diminuir parâmetros físicos e químicos e, consequentemente a potabilidade baseada na Portaria de n° 2914 do Ministério da Saúde, de 12 de fevereiro de 2011. Começando pelo filtro, foram cortados dois canos de PVC, com tampas nas duas extremidades para reter os materiais e a água. Também foram acopladas torneiras, por onde sairia o produto obtido, com uma mangueira ligando o filtro com a matéria orgânica ao da matéria não orgânica. O que contém matéria não orgânica é composto por camadas carvão ativado, areia fina e grossa, brita fina e grossa e uma manta acrílica para impedir que passe qualquer resíduo para o produto final. Além disso, os principais parâmetros analisados foram a cor, potencial hidrogeniônico (ph), acidez carbônica, alcalinidade, cloreto – método de Mohr, dureza total e dureza de cálcio e magnésio. Foram obtidos resultados significativos e positivos em quase todos os parâmetros, porém, ao armazenar a água por alguns dias, seja em recipientes fechados ou abertos, ela sempre apodrece e não foi encontrada uma solução para isso. Outra questão a se pensar foi a respeito da cor. O seu valor chegou a 500 após o filtro, pois a casca libera muito pigmento amarronzado, todavia, encontrou-se um meio de melhorar a aparência, e este mesmo é o uso do carvão ativado no filtro de matéria inorgânica. Logo em seguida do primeiro teste, o valor da cor diminuiu para 75. A acidez também mudou. Não chegou a estar fora dos ideal definido pela Portaria 2914, mas apresentou redução do valor antes de passar no filtro. A conclusão que a equipe chegou foi que o uso da casca de banana na filtragem de água é inviável, pois viola a regra natural de que a água precisa ser incolor, inodor e insípida, além de oferecer possíveis riscos devidos ao apodrecimento após armazenado, em saber o que exatamente pode causar à vida humana e animal a curto e médio prazo.

Autor : MAYCON BRENO MACENA DA SILVA

Modalidade : AT 07 - Qualidade e acesso às águas do Semiárido

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:Introdução: O Brasil contém características hidrológicas muito heterogêneas ao longo do seu território (TUCCI; HESPANHOL; NETTO, 2001). Com uma das situações mais criticas, o semiárido brasileiro tem se tornado alvo de estudos para melhorar o gerenciamento dos recursos hídricos. Nesse aspecto, o reuso de águas servidas tem sido uma das ferramentas utilizadas para proporcionar o consumo sustentável da água. Em vista disso, a otimização das tecnologias e inovações de reuso, tanto na dimensão técnica quanto na econômica, corrobora para utilização desse mecanismo em maior escala, principalmente por regiões que apresentam longos períodos de estiagem ou má distribuição dos recursos hídricos. Desse modo, percebendo que nas patentes se pode encontrar uma grande gama de inovações com potencial de uso, o trabalho visa quantificar o número de patentes registradas no Brasil que apresentam como premissa o reuso de água. Também é objetivo categorizar as tecnologias encontradas e relacionar com a condição do semiárido, demonstrando a importância e a adequação do seu uso. Ainda pretende comparar entre países a quantidade de patentes registradas, com o objetivo de entender se estamos em progresso considerável no desenvolvimento de mecanismos de reutilização para solucionar o constante problema de oferta e demanda dos recursos hídricos. Metodologia: O trabalho utilizou a prospecção tecnológica para quantificar tecnologias relacionadas a reuso de água, pois se observa nessa ferramenta de busca uma grande capacidade de levantar inovações e o estágio do saber científico em determinada área do conhecimento (QUINTELLA et al., 2011). A pesquisa do número de registros de patentes foi feita no banco de dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e da World Intellectual Property Organization (WIPO). As palavras-chave utilizadas no INPI foram “reuso água” e no título e resumo dos campos de pesquisa e “reutilização água” apenas no título. Já na base internacional a busca foi feita também no título e no resumo com as palavras-chave “reuse water”. A busca foi realizada no dia 13 de setembro de 2018. Com as informações coletadas foi utilizado o software Microsoft Excel 2010 para o tratamento e geração de figuras que auxiliam a compreensão dos resultados. Resultados: Realizada a busca no título com as palavras-chave “reuso água” obteve-se como resultado 59 patentes e a maioria correspondeu a modelos de utilidade, indicando que as inovações não tem se concentrado a desenvolver novos processos de tratamento. Além disso, foi possível observar que o número mais significativo de registros ocorreu entre 2015 e 2016, o que pode estar relacionado a grave crise hídrica vivenciada tanto pela região Sudeste quanto pelo semiárido, indicando que houve interesse em amenizar a problemática vivenciada. As inovações encontradas apresentam soluções para diversos usos e com resíduo líquido de várias origens, se destacando o reuso em residências, para descarga em bacias sanitárias e a utilização de águas advindas de lavatórios de roupas. Ao comparar a quantidade de tecnologias desenvolvidas no Brasil e em outros países, foi possível perceber que o número de registros no nosso país é maior que em alguns países desenvolvidos. Considerações finais: Por fim, foi possível perceber que o Brasil apresenta uma grande quantidade de tecnologias de reuso com potencial de aplicação no semiárido, podendo servir como uma ferramenta sustentável para o consumo dos recursos hídricos nessa região que ao longo da historia já foi alvo de longos períodos de estiagem. Sendo assim, para que as inovações passem a ser mais difundas, sobretudo no semiárido, faz-se necessário uma efetiva atuação dos órgãos públicos tentando quebrar uma barreira cultural que ainda existe nesse aspecto. Para conseguir isso de forma eficaz, é conveniente fazer uso da educação, informação, acompanhamento, interação e diálogo (HESPANHOL, 2002).

Autor : ISAMAR ALVES DE SÁ

Modalidade : AT 15 - Ambientes Costeiros no Semiárido Brasileiro

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:São considerados Elementos Terras Raras (ETR) os 17 elementos químicos a seguir: lantânio, cério, praseodímio, neodímio, promécio, samário, európio, gadolínio, ítrio, térbio, disprósio, hólmio, érbio, túlio, itérbio, lutécio e escândio. Os Elementos Terras Raras (ETR) são a principal fonte de matéria prima para a indústria, como imãs permanentes para motores miniaturizados e turbinas para energia eólica, e o Brasil é considerado pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) a segunda maior reserva desses elementos no planeta, embora seja também um país importador. As regiões costeiras, pelo fato de serem locais que possuem níveis topográficos mais baixos, apontam possibilidades de encontrar os ETR´s, pois materiais que possuem maiores densidades, que é o caso destes elementos, podem ser direcionados para essas áreas. Portanto, baseando-se nisso foram analisadas amostras coletadas na praia do Forte, praia dos Artistas, praia de Ponta Negra (em proximidade ao Morro do Careca e outra em seu acesso principal) e na praia da Redinha. As amostras foram coletadas a cerca de 10 centímetros da superfície, utilizando recipientes de alumínio e posteriormente armazenada em sacos plásticos resistentes, de onde foram transportadas ao laboratório, foi feita a pesagem de cada das amostras em uma balança digital de alta precisão e logo após foi feito o bateamento (processo de separação de materiais com diferentes densidades), onde os materiais mais pesados foram separados e as amostras colocadas em cadinhos, que devidamente foram levados a estufas por 24h com intenção de secar os concentrados. A última amostra (praia da Redinha) foi cominuída manualmente (utilizando almofariz e pistilo de ágata), pois ela possuía granulometria maior que as demais. Os concentrados foram pesados e encaminhados para analises de forma semiquantitava, por meio de Espectrômetro de Energia Dispersiva por Raios-X (EDX), com objetivo de conhecer a composição química das amostras. Foram encontradas em todas as amostras uma grande presença de TiO2 (Dióxido de Titânio), foi muito comum também a presença de Y2O3 (óxido de ítrio - III), sendo esse composto químico presente em quatro das cinco análises. Além das destacadas foram encontrados também CeO2 (Dióxido de Cério), Cr2O3 (Trióxido de Cromo), As2O3 (Trióxido de Arsênio) e SrO (Óxido de Estrôncio). Essa pesquisa resultou em dados significativos para um reconhecimento quantitativo dos ETR presentes, ainda que de forma primária, nos atestam da presença desses elementos nas areais de praia da cidade de Natal-RN, mostrando também que é necessário fazer um estudo mais aprofundado para quantificar o valor desses recursos minerais. A pesquisa trouxe conhecimento sobre a identificação e a riqueza dos Elementos de Terras Raras, possuindo eles uma importância tão grande estrategicamente e economicamente para o Brasil e as indústrias, e podendo trazer investimentos e empregos diretos e indiretos para a população do estado do Rio Grande do Norte.

Autor : LUCAS COSTA ARTUR DO NASCIMENTO

Modalidade : AT 15 - Ambientes Costeiros no Semiárido Brasileiro

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo: A erosão costeira é um fenômeno decorrente de vários agentes naturais relacionados à dinâmica de praia como, por exemplo, ondas e ação de ventos. Entretanto, há também a interferência antrópica, que tem se tornado um dos agentes mais influentes para o surgimento de problemas na taxa de erosão costeira; neste caso, por meio da urbanização e estruturas de contenção no ambiente de praia. Os principais objetivos deste trabalho são de expor e alertar sobre a vulnerabilidade da praia de Ponta Negra, indicando os fatores que mais alteram negativamente a dinâmica de praia. A metodologia adotada segue o modelo proposto por Renzo Dal Cin e Umberto Simeoni, que consiste em dividir a zona litorânea em trechos e agrupá-los de acordo com as características em comum e na consideração de variáveis que permitem a avaliação dos processos de dinâmica costeira. A divisão destes trechos foi feita demarcando setores de interesse a cada quilômetro, totalizando três setores. Uma análise aprofundada permitiu que fossem observadas similaridades entre os trechos, consequentemente dando espaço para uma classificação mais precisa estabelecida a partir de determinados parâmetros granulométricos dos sedimentos, realizada a partir da coleção, em campo, de sedimentos ao longo dos trechos para análise em laboratório através de peneiramento a seco, conforme o método de Briggs. O método em questão teve a finalidade de determinar o diâmetro médio dos sedimentos através do método de Folk & Ward, aplicado por meio do software SYSGRAN 3.0; servindo para melhor categorizar as frações granulométricas e tornando possível inferir, em diversos aspectos, detalhes sobre a dinâmica costeira como, por exemplo, a relação entre o fluxo de energia média e a vulnerabilidade ambiental. Os resultados apontados pela metodologia apresentaram-se coerentes com a do modelo proposto. O diâmetro médio das partículas serviu de base para definir variáveis como a energia de transporte, pois possui ligação direta com os processos erosivos e, por conseguinte, com a vulnerabilidade do local em questão, de forma que a taxa de transporte em determinado ponto pode vir a tornar-se insuficiente, devido a estruturas de retenção de sedimentos naturais ou antrópicas. No caso da praia de Ponta Negra, podem-se observar estruturas destes tipos ao longo de toda a orla, como por exemplo, arenitos de praia, vegetação e ocupação do pós-praia. No setor mais distante da concavidade da baía, observou-se característica de praia desprotegida, bioclastos, arenitos de praia e a presença predominante de areia grossa, ou seja, a energia de transporte se mostra elevada em pontos mais distantes da concavidade. No setor seguinte, a maior parte dos sedimentos pertence à fração areia média, com presença de minerais pesados – há leve formação de berma. No terceiro setor – e mais próximo da concavidade da orla – a energia de transporte é baixa, resultando em sedimentos de granulometria fina e em berma desenvolvida (alcançando até 2 m). O processo de erosão costeira, juntamente com o ambiente urbanizado e as medidas tomadas pelo governo do estado para a manutenção deste ambiente, têm levantado preocupações quanto à questão da vulnerabilidade social e ambiental da praia, que motivaram o desenvolvimento deste trabalho. O método de sensoriamento remoto pode auxiliar no monitoramento regular da orla, ponderando tanto os riscos sociais quanto os ambientais.

Autor : GABRIELA NOGUEIRA CUNHA

Modalidade : AT 15 - Ambientes Costeiros no Semiárido Brasileiro

Sala : SALA 04 - AT 07/ AT 15     Localização : SALÃO CEDRO - PRAIAMAR

Dia : 12/12/2018     Hora inicio : 18:00:00     Hora Fim : 21:00:00

Resumo:O Sal é responsável direta e indiretamente pela geração de milhares de empregos pelo país, além das suas numerosas utilidades no cotidiano dos seres vivos. Porém, além de reconhecer as benesses propiciadas pela atividade salineira, é importante destacar também os potenciais prejuízos ambientais resultantes do processo de produção de sal. Adicionalmente, o processo de produção do sal marinho gera como subproduto um efluente altamente salino que comumente é lançado diretamente no estuário. Este efluente, se descartado de maneira inadequada, pode causar a poluição do ecossistema estuarino/marinho, com alteração na qualidade da água e consequentemente desequilíbrio biótico. O presente trabalho teve como objetivo de mapear os principais pontos de lançamento dos efluentes da indústria salineira no estuário do Rio Apodi/Mossoró e caracterizar física e quimicamente os efluentes gerados no processo de produção de sal. para efluentes da indústria salineira. O estudo foi desenvolvido no estuário do rio Apodi/Mossoró, se estendendo desde o município de Mossoró, até a sua foz no oceano Atlântico entre os municípios de Grossos e Areia Branca. Para o mapeamento dos pontos de lançamento dos efluentes foram realizadas expedições de campo e auxílio do Software Livre QGIS (versão 2.18.16), bem como análise em laboratório de 50 amostras coletadas no estuário e comparação com outros relatórios e resoluções de referência. Os dados tiveram como base o Relatório de Controle Ambiental: Salinas Estuário do Rio Mossoró/Volume II (TECNOAMBIENTE BR, 2002). Dos 20 pontos identificados e mapeados de lançamento de efluentes observou-se que a maior concentração de pontos localizados na porção que correspondente ao estuário médio enquanto as menores concentrações de pontos estão localizadas no estuário inferior (foz) e na região do alto estuário, sendo dividida em seis áreas. Quanto a analise físico química dos efluentes constatou-se que a temperatura, o pH e os Materiais Sedimentares dos efluentes não variaram de forma acentuada, mantendo-se dentro dos limites permitidos pela resolução estabelecida pelo CONAMA e apesar de não haver uma legislação que determine um limite para concentração de Oxigênio Dissolvido nos efluentes, foi atentado para o fato que nenhum efluente deve causar a redução da qualidade do corpo receptor. Neste sentido, considerando que a salinidade foi o parâmetro com maior potencial poluidor dentre os analisados para os efluentes da indústria salineira. Através dos dados observados e síntese realizada, constata-se que deve haver substituição do sistema atual de controle, como uma alternativa para reduzir os riscos de poluição, e minimizar os conflitos com as populações tradicionais de pescadores.

I CONGRESSO NACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO

Semiárido brasileiro: diversidade, tendências, tensões e perspectivas